Com oferta e demanda ajustadas, preço das carnes tem dificuldade de evoluir

Publicado em 21/12/2016 07:17
82 exibições

Boi Gordo: Ajuste entre oferta e demanda mantém preços sem espaço para grandes alterações

Por Scot Consultoria

Empresas com escalas prontas até o final do ano são cada vez mais comuns, principalmente em São Paulo. Mesmo frigoríficos que compram somente no mercado spot começam a “fechar” as programações de abate de dezembro.

É claro que algumas dessas indústrias estão com nível de ociosidade elevado, o que permitiu esse alongamento das escalas. Mas, o fato de estarem com matéria-prima garantida para o abate que foi programado para as próximas duas semanas faz estes agentes ofertarem preços abaixo da referência.

O que chama a atenção é que, mesmo sem necessidade de compra para o curto prazo, as ofertas menores são quase sempre de, no máximo, R$ 1,00/@ abaixo da referência. Isso mostra como a disponibilidade de boiadas segue pequena e impõe um limite para baixa.

Os compradores que precisam de gado para os próximos dias, em São Paulo, por exemplo, ofertam até R$ 150,00/@, à vista. A venda ruim de carne dificulta pagamentos maiores. 

De forma geral, o mercado está muito ajustado e não deixa espaço para grandes movimentos nos preços, tanto para cima quanto para baixo.

No mercado atacadista de carne bovina, preços estáveis, mas com tentativas de repasse por valores maiores.

Suíno Vivo: MG e GO registram manutenção de preços nesta 3ª feira, após altas em SP

Por Sandy Quintans

O mercado de suíno vivo registrou dia de estabilidade nesta terça-feira (20). A maioria das praças de comercialização optou pela manutenção de preços para os próximos dias, depois de altas significativas registradas no mercado na primeira quinzena de dezembro. Já em São Paulo, a cotação fechou em alta.

A praça paulista trabalha com negócios entre R$ 89,00 a R$ 91,00/@ – o mesmo que R$ 4,75 a R$ 4,85 pelo quilo do vivo –, representando um aumento de R$ 2 em relação ao preço anterior. O valor deve valer até a primeira semana de 2017, visto que as atividades da APCS (Associação Paulista de Criadores de Suínos) até essa semana.

Em Minas Gerais e Goiás, a referência de mercado também ficou estável em R$ 4,70 pelo quilo do vivo, após apresentar valorização significativa nas semanas anteriores. Segundo a ASEMG (Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais), o atual valor vale até a primeira segunda-feira de janeiro, dia 2.

A Scot Consultoria explica que as expectativas são positivas ao mercado nesta semana e quedas não devem ocorrer no período. “Para os próximos dias, a procura deve caminhar bem e os preços devem permanecer firmes, mas sem espaços para valorizações expressivas”, explicam.

O analista da Safras & Mercado, Allan Maia, coloca que que a procura pela proteína está aquecida, apesar de frigoríficos relataram que está abaixo do esperado. “As exportações seguem em bom ritmo e serão essenciais para a formação dos preços da carne suína nos próximos meses”, ressalta.

Frango Vivo: Preços fecham estáveis nesta 3ª feira, apesar de expectativas positivas para o período

Por Sandy Quintans

Após registrar período de quedas, os preços para o frango vivo voltaram a ter estabilidade nesta terça-feira (20). Em Minas Gerais – única região a não anotar mudança nas cotações na última semana – a referência está em R$ 3,30 pelo quilo do vivo, enquanto que São Paulo está em R$ 3,00 pelo quilo.

Além disso, os preços também registraram quedas no atacado. A Scot Consultoria explica que em São Paulo, a carne de frango teve recuos, mesmo em período que sazonalmente costuma registrar valorização. “Este, que é considerado um produto concorrente e normalmente ganha espaço em tempos de crise, teve desvalorização três vezes maior no intervalo”, explica a consultoria.

O Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) explica que dentre as proteínas mais consumidas no país, a carne de frango é a única que está registrando desvalorizações neste período. “Nessa época do ano o setor acaba tendo concorrência com outras carnes, como Chester e peru, agentes até esperavam certo desaquecimento no mercado de frango, mas muitos indicam que a redução na liquidez tem sido intensa”, apontam os pesquisadores do Centro.

 Com isso, analistas esperam que a semana deve seguir com preços firmes, segundo coloca o analista da Safras & Mercado, Allan Maia. “O momento agora é de expectativa para ver se o preço consegue sustentação até o feriado de Natal”, disse.

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas + Scot

0 comentário