Exportação de carne suína à UE dever ser prioridade

Publicado em 11/05/2010 13:16 273 exibições
Nas negociações entre o Mercosul e a União Europeia (UE) - retomadas neste mês para concluir o acordo de livre comércio birregional o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc), José Zeferino Pedrozo, espera que seja priorizado o acesso da carne suína catarinense ao "velho mundo".

A reivindicação da Faesc leva em conta que iniciarão nas próximas semanas as trocas de ofertas de liberalização para concluir o acordo de livre comércio. Essa disposição será assumida pelos negociadores e pelos chefes de governo dos dois blocos, em Madri, no próximo dia 17. Na mesma ocasião, uma reunião técnica vai definir o calendário das discussões, para iniciar as transações depois das férias de verão na Europa.

Pedrozo enfatiza que Santa Catarina é o único estado da federação brasileira que desfruta da condição sanitária de área livre de aftosa, sem vacinação, além de deter a maior produção de suínos do país. "Até agora, nosso privilegiado status rendeu muito prestígio internacional, mas poucos negócios foram efetivamente fechados", observa.

O presidente da Faesc quer prioridade para a carne suína, historicamente deixada em segundo plano. Em 2004, a União Europeia ofereceu cota de 100 mil toneladas para a entrada de carne bovina do Mercosul com tarifa menor. O bloco quis três vezes mais, 300 mil toneladas. Dois anos depois, os europeus sinalizaram com uma espécie de compromisso: uma cota de 150 mil toneladas, dividida em duas parcelas, uma dada pelo acordo birregional e outra só depois da conclusão da Rodada Doha, de liberalização comercial, na Organização Mundial do Comércio (OMC).

A questão do acesso de carnes do Mercosul será um ponto sensível nas discussões. O Mercosul era responsável por 90,5% de toda a carne bovina importada pela União Europeia em 2007. O percentual caiu para 82,5% no ano passado, em razão de barreiras sanitárias impostas por Bruxelas contra a carne brasileira. A medida derrubou a exportação do país em 58,2% para o mercado comunitário. O Brasil também tem grande participação na venda de carne de frango para a UE. Em contrapartida, o Mercosul não vende uma tonelada sequer de carne suína.

José Zeferino Pedrozo acredita que a negociação será facilitada, porque os dois blocos já mapearam os pontos centrais do acordo, nas últimas quatro reuniões desde junho do ano passado, ocorridas em Lisboa, Buenos Aires e Bruxelas. Com informações da assessoria de imprensa da Faesc.
Tags:
Fonte:
Agência Safras

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário