Campanha de TV encomendada por procuradores federais aterroriza pecuaristas

Publicado em 02/08/2010 08:09 e atualizado em 02/08/2010 09:09 1009 exibições
Uma campanha de . TV e de rádio encomendada por procuradores federais aterrorizou os pecuaristas. Chamada "Carne Legal", ela é constituída por três peças, intituladas "Churrasco de desmatamento, "Picadinho de trabalho escravo" e "Filé de lavagem de dinheiro". A repercussão entre os produtores foi tal que a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Kátia Abreu, contratou a organização Contas Abertas para descobrir quanto ela custou e quem a produziu. A resposta da primeira pergunta: R$ 400.000. A da segunda: a Fundação Padre Anchieta, mantida pelo governo paulista. As informações embasam uma ação judicial na qual Kátia Abreu exige que os procuradores suspendam a campanha e devolvam aos cofres públicos o dinheiro que gastaram nela.
Tags:
Fonte:
Veja

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

4 comentários

  • Luiz Prado Rio de Janeiro - RJ

    Pois é, meu caro Emanuel.... Mas a diferença é simples: eles, lá, sabem se organizar rapidamente em defesa de seus interesses. E têm governo que não joga para a arquibancada, mas os ouve.

    0
  • Celso Henrique São José do Rio Preto - SP

    Tem sempre tanta coisa por tras de tudo que até desanima. Como aquele estudo encomendado pelos produtores dos EUA, "florestas la, fazendas aqui".

    Sera que temos solução?

    0
  • Emanuel Geraldo C. de Oliveira Imperatriz - MA

    Não se preocupem. Quando a Dilma ganhar a eleição, havera um golpe militar e eles darão jeito nas ONGs, MST, ambientalistas, politicos corruptos (99%), etc... pois o Congresso, a mídia, etc estão cientes das relações promíscuas entre Governo e essa corja e não estao nem aí. O produtor aqui é tratado como marginal, desvalorizado, perseguido... coitado!

    0
  • Luiz Prado Rio de Janeiro - RJ

    Parabéns à senadora.

    Seria bom, também, investigar a agência publicitária contratada, a equipe contratada, os valores pagos para a mídia, e solicitar a quebra do sigilo bancário desses procuradores.

    0