Inmet prevê inverno com chuvas acima da média no Sul

Publicado em 19/06/2019 13:11 e atualizado em 19/06/2019 14:11
930 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O inverno, que começa na próxima sexta-feira no Hemisfério Sul, será marcado por chance superior a 50% de manutenção do fenômeno climático El Niño no período, trazendo chuvas acima da média para grande parte da região Sul do Brasil, previu o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), de acordo com nota do Ministério da Agricultura.

Na região Sul estão concentradas as lavouras de trigo, principal cultura de inverno brasileira. As precipitações devem ajudar no desenvolvimento dos cultivos, em fase de plantio, mas podem prejudicar a qualidade do cereal caso se prolonguem até a colheita, com início em setembro.

"A maior frequência das frentes frias contribuirá para maiores variações nas temperaturas ao longo deste trimestre. Porém, as temperaturas médias devem permanecer acima da média climatológica, exceto na metade sul do Rio Grande do Sul e leste de Santa Catarina, onde o inverno deverá ocorrer dentro da normalidade...", afirmou o ministério.

No Sudeste, as chuvas devem permanecer dentro ou ligeiramente acima da média, principalmente em setembro, no sul de São Paulo, avaliou o Inmet, lembrando que o trimestre de junho a agosto é período mais seco da região, especialmente no norte de Minas Gerais.

O Sudeste é o maior produtor brasileiro de cana, laranja e café do Brasil, que domina o mercado internacional desses três produtos. Chuvas, quando em excesso, podem prejudicar o andamento da colheita dessas culturas e mesmo afetar a qualidade do café.

Para o Centro-Oeste, principal região produtora de grãos do Brasil, onde a colheita de milho segunda safra está em desenvolvimento, o Inmet aponta alta probabilidade das chuvas ocorrerem dentro a ligeiramente abaixo da média climatológica em grande parte da região, com temperaturas acima da média, devido à permanência de massas de ar seco e quente, "principalmente nos meses de agosto e setembro".

O plantio da nova safra em Estados como o Mato Grosso já pode começar em setembro, mas é preciso umidade satisfatória.

Na Região Nordeste, o boletim do Inmet indica o predomínio de áreas com maior probabilidade de chuvas dentro ou abaixo da climatologia, principalmente sobre a costa leste, onde o período chuvoso aproxima-se do final.

EL NIÑO

Segundo nota do ministério, os dados gerados pelos principais centros meteorológicos internacionais revelam que o fenômeno El Niño, marcado pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico, deverá se estender até meados da primavera.

Desde meados da primavera até a primeira quinzena deste mês, as águas do Oceano Pacífico Equatorial vem apresentando valores acima de 0,5ºC, o que caracteriza um fenômeno El Niño de fraca intensidade, destaca o relatório do Inmet.

O El Niño repete-se em intervalos irregulares, que costumam variar entre dois e sete anos. Os impactos da anomalia climática são variados, tendo em vista as dimensões do território brasileiro e sua diversidade climática. Em algumas áreas, produz secas extremas e, em outras, eleva as temperaturas, disse o ministério.

(Por Roberto Samora)

Inverno deverá ser mais quente em três regiões do país, prevê Inmet (por Agência Brasil)

O inverno começa na próxima sexta-feira (21), às 13h, devendo originar, ao longo dos próximos três meses, temperaturas acima da média para o período nas regiões Sul, Sudeste e Centro-oeste do país, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A estação se encerra na madrugada do dia 23 de setembro, quando dá lugar à primavera.

Conforme explica o Inmet, o inverno tem como característica a redução de chuvas nas três regiões e em partes do Nordeste e do Norte do Brasil. Com a diminuição da temperatura, ocasionada pelas massas de ar frio do sul do continente, amplia-se a probabilidade de ocorrerem geadas nas regiões Sul e Sudeste e no estado de Mato Grosso do Sul, além da queda de neve nas áreas serranas e planaltos do Sul do país e friagem em Rondônia, no Acre e no sul do Amazonas. As condições típicas da estação, que incluem inversões térmicas durante as manhãs, também podem produzir a formação de nevoeiros e névoa úmida nos estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Frio em São Paulo
Inmet prevê que temperaturas acima da média devem marcar, principalmente, os meses de agosto e setembro - Arquivo/Agência Brasil

Outro fenômeno que o inverno favorece são as queimadas e os incêndios florestais em determinados pontos do país. De acordo com o Inmet, as chances de aconteceram são maiores na Região Norte, entre a metade do inverno e o início da primavera.

Para o Centro-Oeste, a previsão é de que os incêndios florestais serão propícios devido à conjugação de três fatores: a baixa umidade relativa do ar, a menor ocorrência de chuvas e as temperaturas acima da média, que devem marcar, principalmente, os meses de agosto e setembro. Na região, informa o Inmet, a previsão é de que a umidade relativa do ar fique abaixo de 30%, tendo, em alguns momentos, picos mínimos abaixo de 20%.

Quanto à Região Sul, o Inmet prevê que a maior frequência das frentes frias contribuirá para variações nas temperaturas ao longo do trimestre e antecipa que as temperaturas médias devem permanecer acima da média climatológica. A exceção é a metade sul do Rio Grande do Sul e o leste de Santa Catarina, onde o inverno deverá ocorrer dentro da normalidade. Para essas duas áreas, estima-se que as temperaturas atinjam valores abaixo de 0º C em áreas serranas e planalto, principalmente no mês de julho.

Fonte: Reuters/Ag. Brasil

Nenhum comentário