Chuvas mudam paisagem da região do Cariri/CE

Publicado em 29/12/2010 07:18 445 exibições

As últimas chuvas caídas no Cariri reacenderam as esperanças dos agricultores e mudaram a paisagem da região. O verde substituiu o cinza deixado pela seca. Os pecuaristas que, no mês de novembro, estavam comprando cana de açúcar para salvar o rebanho, respiram aliviados com a renovação da pastagem. O clima é de otimismo quanto ao inverno do próximo ano. Mas o plantio não foi iniciado. Alguns agricultores começaram a arar as terras.

Os agricultores que acreditaram nas primeiras chuvas garantem que, se não houver uma estiagem prolongada, têm feijão e milho verdes assegurados para o feriado de carnaval, que acontece no dia 8 de março. Porém, foram poucos os agricultores que arriscaram o plantio. A grande maioria está esperando a caracterização do inverno que, tradicionalmente, só começa no Cariri na segunda quinzena de janeiro.

Orientação

"Gato escaldado tem medo até de água fria". Com esta filosofia sertaneja, o agricultor Vicente Vaqueiro, residente no Sítio Coité, Município de Missão Velha, lembra os prejuízos causados pela seca deste ano. "Aqui, a gente começa a plantar no seco, antes das primeiras chuvas. Este ano, eu vou seguir a orientação da Funceme que está advertindo sobre a possibilidade de ausência de chuvas no início de janeiro", diz o agricultor. A previsão da Funceme está se configurando. Há uma semana, não chove na região.

Mesmo com um pé atrás, o agricultor acredita que o inverno será bom. Ele está baseado em três experiências: os dias de Nossa Senhora da Conceição, em 8 de dezembro; Santa Luzia, no dia 13 de dezembro; e São Tomé, 20 de dezembro. "Nestes dias choveu e trovejou. É um bom sinal", acredita Vicente Vaqueiro, acrescentando que, mesmo diante da perspectiva de chuvas, só vai plantar quando a Funceme mandar.

A orientação da Funceme está sendo cumprida pela maioria dos produtores do Cariri. A primeira preocupação foi salvar o gado com o pasto gerado pelas chuvas. O plantio está sendo feito apenas por aqueles que praticam uma agricultura de fundo de quintal.

"É geralmente o aposentado que, no ronco do primeiro trovão, bota a enxada nas costas e toma o caminho da roça", diz o experiente agricultor João Ferreira Primo, residente no Sítio Muquém, no Município de Brejo Santo.

Novos artifícios

Hoje, muitos agricultores já estão mais ligados no serviço de meteorologia da televisão do que nas crendices e profetas populares. Já não se encontram mais nas feiras da região os famosos almanaques com profecias sobre o inverno. Os profetas estão desaparecendo. O famoso deles foi Joaca Rolim, de Missão Nova, que morreu há mais de 10 anos. O agricultor Neri Alves confessa que trocou as profecias pela Canal do Boi, que informa até a hora da chuva.

Os técnicos dos escritórios da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ematerce) da região não estão mais recomendando o plantio. Eles advertem que, segundo a Funceme, é uma pré-estação chuvosa, que ocorre entre dezembro e janeiro. As chuvas deste período são provocadas por sistemas secundários, que ocasionam chuvas irregulares e que duram cerca de cinco dias. O técnico da Ematerce José Martinez Barbosa adverte que uma estiagem prolongada pode sacrificar o legume que já foi plantado.

Fique por dentro

Quadra Chuvosa

Para definir o prognóstico oficial da quadra chuvosa, a Funceme aguarda a definição da temperatura do Oceano Atlântico, que deve ocorrer na segunda quinzena de janeiro. "Todo o prognóstico depende dessa informação, que ainda não foi obtida. Por outro lado, temos a presença do fenômeno La Niña no Oceano Pacífico, que, normalmente, favorece as chuvas no Ceará. Entretanto, só no fim do mês de janeiro teremos condições de passar uma previsão climática mais confiável da quadra chuvosa", diz o meteorologista da Funceme, Paulo Barbiere.

Tags:
Fonte:
Diário do Nordeste

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário