Estudo de risco climático orienta plantio de três culturas

Publicado em 25/11/2011 06:50 442 exibições
O Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (24) traz as portarias que indicam os municípios com as melhores condições climáticas para o plantio de cacau, milheto e milho segunda safra. O estudo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recomenda o plantio de cacau em áreas de Mato Grosso e Pará; de milheto, no Ceará, Paraíba, Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Piauí; e de milho segunda safra no Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro Mato Grosso, Rondônia, Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

O cacau pode ser encontrado em terras baixas, dentro de bosques escuros, ou em florestas menos úmidas das Américas. O cacaueiro começa a frutificar com cerca de três anos e produz normalmente a partir do oitavo ano e até trinta anos após o plantio, atingindo até seis metros de altura.

O milheto é uma gramínea anual de clima tropical de porte alto e desenvolvimento uniforme. Apresenta excelente valor nutritivo e é facilmente digerida quando oferecida aos animais de pasto. No Brasil, o milheto é utilizado como planta forrageira, especialmente na região Sul, onde foi introduzido na produção de semente para fabricação de ração como planta de cobertura do solo no sistema de plantio direto. O milheto também pode ser usado na recuperação de pastagens, na integração agricultura e pecuária e na produção de silagem em regiões mais secas.

A segunda safra de milho é cultivada após uma cultura de verão. Conhecida como safrinha, pode ter sua produtividade bastante afetada pelo regime de chuvas e por limitações de radiação solar e de temperatura na fase final de seu ciclo. O zoneamento agrícola identifica os períodos de semeadura de menor risco climáticos em estados específicos. A identificação foi feita a partir de análises térmicas e hídricas. Paraná, Mato Grosso do Sul e Goiás se destacam na produção da segunda safra de milho. Esses estados colheram, respectivamente, 6,2 milhões de toneladas, 3,2 milhões e 2,9 milhões de toneladas, na última safra.

Tags:
Fonte:
Mapa

0 comentário