CNA vai ao Ministério do Meio Ambiente pedir mudanças no decreto do Código Florestal

Publicado em 24/10/2012 15:52 1492 exibições
Após quase duas horas de reunião com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Kátia Abreu, disse que os produtores vão esperar mais uma semana por alterações no decreto publicado na semana passada pelo governo federal que preencheu lacunas deixadas na Lei do Código Florestal.

Desde que foi publicado, o decreto motivou ameaças por representantes de alguns setores da agricultura, que prometeram ingressar no Supremo Tribunal Federal (STF) com ação direta de inconstitucionalidade (Adin) para questionar a medida. Do lado dos produtores, a principal crítica recai sobre os trechos tratando do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA).

Em reuniões com a ministra Izabella Teixeira e o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, entre outros representantes do governo federal, Kátia Abreu disse que o Poder Executivo indicou intenção de não complicar o texto e de publicar nos próximos dias alteração dos itens do decreto que são criticados pelos produtores.

— O texto não ficou bem normatizado. Seria uma formatação cartorial, na qual o Incra teria que participar do georreferenciamento e isso seria um caos para o país. O decreto dificulta a vida dos produtores e seria inconstitucional, porque coloca mais obrigações ao produtor do que as que estão previstas na lei. Vamos esperar mais uma semana para ver a alteração que deverá ser feita — afirmou Kátia Abreu.

A presidente da CNA disse que a conversa com Izabella Teixeira também tranquilizou os produtores rurais sobre as futuras regulamentações que serão feitas para viabilizar o Código Florestal. O temor dos grandes agricultores e pecuaristas é que essas normas não venham a ser elaboradas pelo Ministério do Meio Ambiente ou pela própria Presidência da República.

— Uma das nossas preocupações é que isso (as futuras regulamentações) fugisse à alçada do Executivo e pudesse ser deslocado para um Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente). Tivemos a garantia de que seria feito pelo Executivo, ouvidos todos os setores — disse ela.

Kátia Abreu afirmou ainda que a CNA vai buscar um “diálogo ameno” com ambientalistas e movimentos sociais, mas não deixará de priorizar alguns pontos de interesse dos produtores rurais. Uma das bandeiras defendidas pelos ruralistas é a de ampliar a área produtiva irrigada no país.

— Se precisamos e queremos aumentar a produção e produtividade sem desmatar árvores, vamos precisar irrigar boa parte do país. Temos um potencial de 30 milhões de hectares e irrigamos só cinco milhões de hectares.

Outro ponto que deve retomar o clima de disputas entre ambientalistas e ruralistas nas negociações sobre a regulamentação da lei é o fim da produção nas áreas de Preservação Permanente (APP). O decreto prevê um deslocamento escalonado, mas o questionamento do setor é se o prazo é suficiente para que os pequenos produtores consigam se adequar economicamente às novas regras.

— Os grandes produtores e os pequenos de renda alta já liquidaram o assunto e organizaram as suas APPs e reservas legais para não perder seus contratos. A nossa preocupação é a grande classe média rural brasileira, que está bastante empobrecida, e os pequenos de baixa renda, que terão dificuldade maior de se adequar repentinamente à lei, saindo das margens de rios, que são as áreas mais férteis em qualquer lugar do mundo — afirmou.
Fonte:
Agência Brasil

2 comentários

  • Everson M. Danguy Tuneiras do Oeste - PR

    Vejam só, a alguns meses atrás quando "nós agricultores" tinhamos a "faca e o queijo nas mãos"para nogociar com o governo,nossos "representantes a bancada ruralista" se venderam.o governo queria votar a lei da copa "más o codigo florestal teria que ser votado primeiro para liberar a pauta"Então o governo propõs a "nossos representantes ruralistas"que fosse votado primeiro a lei da copa e após isto o codigo florestal e deu no que deu,agora nós agricultores é que vamos pagar por mais essa...

    0
  • Lourivaldo Verga Barra do Bugres - MT

    Quando tínhamos o trunfo na mão e poderíamos negociar de cabeça erguida coma altivez e importancia da produção, segurando a balança comercial do País, não fizemos. Agora é ficar de joelhos e humilhados.Que beleza!

    0