Vamos aumentar o consumo, o IBRAFE tem proposta

Publicado em 27/03/2019 15:30
233 exibições
Enquanto os preços ao produtor recuam, lá na gôndola, já se sabe, irão ceder bem  lentamente. Historicamente, neste momento mais uma vez o varejo leva enorme vantagem. Já compra dos empacotadores levando em consideração os últimos recuos, assim a margem no mínimo duplica. É irritante, para quem fez contas para vender a R$ 300, ter que comemorar quando alcança R$ 220/230. 
Novamente discute-se no setor a queda de consumo e como recuperá-la. Todas as iniciativas consistentes darão resultados positivos. Afinal, o caso do Feijão é único. Ele é unanimidade mundial como alimento nutracêutico, ou seja, que além de alimentar previne inúmeras enfermidades. Atende os critérios de sustentabilidade do meio ambiente e, por tabela, sustenta no campo o produtor familiar. Para o IBRAFE é uma causa. Assim sendo, é questão de nos organizarmos com instituições como EMBRAPA, e em um país continental como o nosso, começar as ações tendo uma grande cidade como piloto. Curitiba, por exemplo, onde o consumo caiu 20%, segundo dados do governo municipal, surge como ideal. 
Como parte de um todo, há um projeto a ser implementado nas escolas, com crianças de 7/8 anos. Segundo pedagogos, crianças conseguem influenciar o consumo da família e, se trabalhadas na infância, durante a adolescência podem manter o hábito alimentar. 
O plano proposto é que as grandes multis responsáveis pelos principais insumos contribuam com parte deste esforço. Os grandes produtores do Brasil podem instar para as multis apoiarem. Mas as multis vão querer contrapartida. Por exemplo, marcas de máquinas, de defensivos e de fertilizantes não têm interesse em  ter sua marca junto ao consumidor. Aí entra o IBRAFE, disponibilizando os espaços publicitários que tem conquistado, ou seja, a audiência de uma grande parcela dos produtores de Feijão. É simples, como encaixar as peças de Lego, encaixar os interesses, o ganha-ganha. 
Em paralelo, desenvolve-se o outro aspecto do projeto que envolve formadores de opinião da Web. Quando uma entidade com um histórico de serviços para o setor toma a frente, como o IBRAFE, conquista mais facilmente apoiadores para a “Causa”, e o Feijão é uma causa social, da agricultura familiar ao grande empresário rural, dos consumidores da classe E até a A, é caso de saúde pública, é sustentável, é alinhado com a tendência vegana e vegetariana e é proteína vegetal por excelência. 
Nessa altura do projeto, surgem as marcas que atuam em conjunto e alinhadas executando, sob orientação da EMBRAPA, um plano de marketing em mídias digitais, que a cada 60 dias aborda um tópico para a opinião pública, centrados, ao mesmo tempo, em associações de supermercados que serão sensibilizadas pelo IBRAFE. Contando também com o apoio da ABRASEL Brasil e estaduais, agregando também chefs engajados, nós vamos virar este jogo. 
Tudo com objetivo claro: aumentar o consumo, via maior conhecimento do que significa consumir Pulses de pelo menos mais duas variedades de Feijões e de grão-de-bico, lado a lado com o Feijão-carioca e Feijão-preto.
Seja qual for o seu sonho, comece. Ousadia tem genialidade, poder e magia. Johann Goethe
Viva o Feijão! Viva Saudável!Enquanto os preços ao produtor recuam, lá na gôndola, já se sabe, irão ceder bem  lentamente. Historicamente, neste momento mais uma vez o varejo leva enorme vantagem. Já compra dos empacotadores levando em consideração os últimos recuos, assim a margem no mínimo duplica. É irritante, para quem fez contas para vender a R$ 300, ter que comemorar quando alcança R$ 220/230. 
Novamente discute-se no setor a queda de consumo e como recuperá-la. Todas as iniciativas consistentes darão resultados positivos. Afinal, o caso do Feijão é único. Ele é unanimidade mundial como alimento nutracêutico, ou seja, que além de alimentar previne inúmeras enfermidades. Atende os critérios de sustentabilidade do meio ambiente e, por tabela, sustenta no campo o produtor familiar. Para o IBRAFE é uma causa. Assim sendo, é questão de nos organizarmos com instituições como EMBRAPA, e em um país continental como o nosso, começar as ações tendo uma grande cidade como piloto. Curitiba, por exemplo, onde o consumo caiu 20%, segundo dados do governo municipal, surge como ideal. 
Como parte de um todo, há um projeto a ser implementado nas escolas, com crianças de 7/8 anos. Segundo pedagogos, crianças conseguem influenciar o consumo da família e, se trabalhadas na infância, durante a adolescência podem manter o hábito alimentar. 
O plano proposto é que as grandes multis responsáveis pelos principais insumos contribuam com parte deste esforço. Os grandes produtores do Brasil podem instar para as multis apoiarem. Mas as multis vão querer contrapartida. Por exemplo, marcas de máquinas, de defensivos e de fertilizantes não têm interesse em  ter sua marca junto ao consumidor. Aí entra o IBRAFE, disponibilizando os espaços publicitários que tem conquistado, ou seja, a audiência de uma grande parcela dos produtores de Feijão. É simples, como encaixar as peças de Lego, encaixar os interesses, o ganha-ganha. 
Em paralelo, desenvolve-se o outro aspecto do projeto que envolve formadores de opinião da Web. Quando uma entidade com um histórico de serviços para o setor toma a frente, como o IBRAFE, conquista mais facilmente apoiadores para a “Causa”, e o Feijão é uma causa social, da agricultura familiar ao grande empresário rural, dos consumidores da classe E até a A, é caso de saúde pública, é sustentável, é alinhado com a tendência vegana e vegetariana e é proteína vegetal por excelência. 
Nessa altura do projeto, surgem as marcas que atuam em conjunto e alinhadas executando, sob orientação da EMBRAPA, um plano de marketing em mídias digitais, que a cada 60 dias aborda um tópico para a opinião pública, centrados, ao mesmo tempo, em associações de supermercados que serão sensibilizadas pelo IBRAFE. Contando também com o apoio da ABRASEL Brasil e estaduais, agregando também chefs engajados, nós vamos virar este jogo. 
Tudo com objetivo claro: aumentar o consumo, via maior conhecimento do que significa consumir Pulses de pelo menos mais duas variedades de Feijões e de grão-de-bico, lado a lado com o Feijão-carioca e Feijão-preto.
Seja qual for o seu sonho, comece. Ousadia tem genialidade, poder e magia. Johann Goethe
Viva o Feijão! Viva Saudável!
Fonte: IBRAFE

Nenhum comentário