Suinocultores preocupam-se com preços baixos e alto custo de produção

Publicado em 09/05/2012 10:28 311 exibições
O suinocultor Francisco Vezaro (52) mostra insatisfação em relação a atual situação dos suinocultores gaúchos. Há cerca de 30 anos, Vezaro se dedica à suinocultura em Paim Filho, município gaúcho situado no noroeste do Estado. "Nós, suinocultores, recebemos pouco pelo suíno. Enquanto isso, o produto é repassado ao consumir com um preço alto. É preciso mudar a situação, caso contrário, não há como continuar", reclama o paim-filhense.

A última pesquisa referente ao preço pago ao suinocultor gaúcho (publicação em 02/05) indicou que o valor médio pelo quilo vivo do suíno é de R$ 2,02 ao produtor independente, enquanto que o integrado recebe o valor de R$ 1,90. No ano passado, no mesmo período, os valores médios eram de R$ 2,36 (independente) e R$ 2,00 (integrado), apresentando diferença negativa de 2011 para 2012. Os dados são da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs). "É a realidade que o suinocultor está vivendo. A desvalorização do preço pago pelo quilo do suíno ocorre em função de uma produção que cresce de 5% a 6% ao ano e ao consumo da carne suína que permanece igual. Para que a situação mude, é necessário que se ajuste a produção conforme pede a demanda", comenta o presidente da Acsurs, Valdecir Luis Folador.

Responsável pela criação de 750 matrizes, Vezaro conta com 12 empregados em sua granja e alerta para o fechamento de outras duas no município. "Caso a situação não mude, o próximo pode ser eu", lamenta. "Trabalho de domingo a domingo e a indústria só chora, dizendo que está falida. E nós, suinocultores?", questiona Vezaro.

Entre os casos citados pelo suinocultor, está o de Isidoro Conte (48), residente no mesmo município. Proprietário de uma granja (ciclo completo) com quatro mil suínos, Conte diz que o dia para o encerramento das atividades está próximo. "Estamos há três anos trabalhando no prejuízo. Agora, depois que terminarmos a engorda desse lote, vamos fechar", fala, com perspectiva de seis a oito meses. A granja é familiar e conta com mais quatro pessoas. "Me criei na suinocultura, mas, infelizmente, não tenho opção", frisa Isidoro, lembrando que a criação de suínos começou com o pai.    

Custo de produção

O milho é o principal ingrediente utilizado como fonte de energia na alimentação de suínos. As variações de preço desse alimento refletem diretamente na margem de lucro do suinocultor.

Hoje, o preço médio do saco de milho é de R$ 25,69. Há um ano, já elevado, o valor era de R$ 24,42, subindo 5%. Ou seja, aumentou o custo de produção e diminuiu o valor pago ao suinocultor.

Tags:
Fonte:
Acsurs

0 comentário