Frigorífico fecha unidade e deixa 1,5 mil sem emprego em Umuarama (PR)

Publicado em 20/05/2016 07:21
1157 exibições

Uma unidade frigorífica da cidade de Umuarama, Noroeste do Paraná, vai fechar as portas a partir do dia 1º de junho e deixar cerca de 1,5 mil pessoas sem emprego. O complexo industrial é uma filial da Averama, empresa que já chegou a abater 280 mil frangos por dia no seu auge - O Paraná abate aproximadamente 4,6 milhões por dia, conforme dados da Expedição Avicultura. A companhia, com sede na cidade de Rondon (a 95 km de Umuarama), diz que pretende manter as atividades na matriz. O que não está definido, como denuncia o sindicato dos funcionários da fábrica, é como ficará o pagamento dos direitos trabalhistas dos trabalhadores.

Empresa culpa crise nacional

A reportagem entrou em contato com a empresa para solicitar uma entrevista. Como resposta, o setor jurídico da companhia enviou uma nota e um link de uma matéria do jornal Umuarama Ilustrado. A nota culpa a crise econômica nacional, a instabilidade política e os altos preços dos insumos pelo fechamento. O documento enfatiza em um parágrafo que “a situação não é exclusividade da Averama Alimentos.” Na entrevista que deu ao jornal local de Umuarama, o presidente da empresa Célio Batista Martins Filho disse que a elevação nos custos de produção – especialmente o aumento de 70% na energia elétrica – foram os responsáveis pela situação de crise que levou o fechamento da unidade.

Caso é pontual, diz presidente do Sindiavipar

O setor da avicultura do estado passa por turbulências, mas está muito longe de estar em uma situação de quebra generalizada. O diagnóstico é do presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), Domingos Martins. Ele disse que o fato de a Averama fechar uma de suas unidades é um aspecto isolado.

“O setor passa por um momento de turbulência, principalmente por causa do milho e da soja que subiram demasiadamente. Isso fez capital de giro se exaurir e o país está em uma recessão violenta”, confirma Martins. “Mas a situação deles é pontual, não significa que vai ser refletir em outros estabelecimentos. A empresa já vem há algum tempo com problema”, enfatiza.

O presidente relata ainda que de modo geral, o setor no Paraná é privilegiado por ter um índice alto de exportação. No primeiro quadrimestre de maio deste ano, por exemplo, a venda do produto para o exterior subiu quase 20%. “. Temos uma situação mais tranquila para quem está exportando, porque com o desemprego não se está conseguindo repassar para o consumidor os custos que aumentaram”, diz. “No Paraná temos uma situação privilegiada pois de 35% a 37% do que se produz aqui é exportado. E isso é média, temos unidades que exportam muito mais do que isso”, salienta.

O presidente do Sindicato dos Empregados nas Indústrias de Alimentação de Umuarama e Região, Adenilson do Amaral, diz que a companhia propôs o parcelamento das dívidas trabalhistas em meio salário mínimo até que o valor de 13º, férias e outros benefícios sejam quitados. Para ele, mesmo que haja uma proposta a ser apresentada em assembleia, não há solução fora do judiciário. “Estamos ingressando com uma medida cautelar para tentar apreender bens da empresa e garantir os pagamentos no futuro”, disse.

A funcionária do frigorífico Vanessa da Sales Leão conta que nos últimos dias alguns empregados começaram a ser dispensados por motivos que até então eram menos cobrados. Ela conta, por exemplo, que o controle das pausas de 10 minutos para ir ao banheiro ficou mais severo. Descontos nos salários e advertências se intensificaram e ela acabou sendo demitida por justa causa. “Não tem como eu procurar outro emprego, porque como eu vou procurar outro emprego se eu fui demitida por justa causa? Estou esperando o que eles vão resolver para recorrer aos meus direitos”, relata.

Leia a notícia na íntegra no site Gazeta do Povo.

Tags:
Fonte: Gazeta do Povo

Nenhum comentário