OIE recomenda ações de combate e controle à peste suína africana

Publicado em 30/05/2019 17:46
234 exibições

Os debates da 87ª Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) abordaram, na quinta (30), as novas regulamentações e as necessidades para o controle da propagação da peste suína africana (PSA).

Em Paris, representantes de 182 países membros da OIE discutiram propostas de normativas e recomendações para prevenir, combater e erradicar doenças. A coordenadora de Sanidade Animal da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Lilian Figueiredo, está no evento.

“A CNA e o Ministério da Agricultura acompanham as discussões sobre regulamentações para o controle de fronteira para impedir a entrada de doenças em países livres da peste suína africana”, observou a coordenadora.

Lilian destaca que o Brasil é livre da doença. “Por isso o setor produtivo está empenhado em exigir do governo a regulamentação quanto às normas de proteção das fronteiras brasileiras para combater a entrada da doença no País”, ressaltou.

A PSA é listada como uma enfermidade de alta prioridade pela OIE. Os membros da assembleia-geral recomendaram aos países a elaboração de um programa de controle da doença considerando a análise de riscos para a entrada da patogenia e dispersão em cada país.

A Organização Mundial de Saúde Animal ressalta a importância de intensificar as ações na fronteira para combater o contrabando de produtos de origem animal por passageiros, além do desenvolvimento de uma ação global para controle de fronteiras para evitar a proliferação da enfermidade.

Segundo a coordenadora de sanidade animal da CNA, outro ponto destacado em relação à PSA trata-se da união de setores público e privados para garantir a biosseguridade e a comunicação do risco.

No quinto dia do evento, a OIE entregou certificados para os países que possuem status sanitários livres sem vacinação de febre aftosa (Bolívia, Botswana, Cazaquistão); peste suína clássica (Croácia, Equador, Letônia e Uruguai); encefalopatia espongiforme bovina (Equador com risco controlado e Sérvia com risco insignificante) e pleuropneumonia contagiosa bovina (Peru e Uruguai).

Tags:
Fonte: CNA

0 comentário