Contrariando expectativas, preço do leite cai

Publicado em 09/08/2010 11:12 626 exibições
O preço do leite pago ao produtor em 2010 caiu mais uma vez em julho e a tendência é de que a queda continue pelos próximos meses. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), a queda em julho (referente à produção entregue em junho) foi de 6,16% em relação ao mês anterior, para uma média de R$ 0,7242/litro no país. A situação é atípica, já que na entressafra (época de seca/inverno) o preço pago ao produtor tende a subir, por conta do aumento do custo da produção, falta de alimentos e da queda de produtividade das vacas.

De acordo com o coordenador do setor de pecuária da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), o veterinário Carlos Augusto Zanata, para a viabilidade da produção de leite na seca, período em que os pastos estão ressecados e maduros, é necessário a suplementação das vacas com ração, como forma de concentrado e silagem. Essas tecnologias envolvem custos altos para o produtor, não sendo então empregadas por todos. O que se reflete na quantidade de leite produzido, que de um modo geral tende a cair. Com isso, a tendência dos preços do leite pago ao produtor é de aumento. O coordenador explica ainda que pelo menos dois fatores contribuíram para o recuo dos preços, sendo um deles o aumento da importação de leite em pó de países do Mercosul, como Argentina, Chile e Uruguai. Para tentar reverter esse quadro, a CNA está atuando junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no sentido de controlar a importação de leite em pó.

Outro fator que chama atenção e pode influenciar a redução nos preços pagos ao produtor é a queda no consumo do leite longa vida, que representa 75% do mercado de leite fluído do país. Para estimular a compra, a indústria foi obrigada a baixar o preço de venda no varejo, prejudicando os produtores, que no início do ano tinham uma perspectiva otimista em relação à produção do leite. "É na entressafra que o produtor consegue recuperar o capital e se preparar para manter a produção no período de chuvas (safra), quando historicamente os preços são mais baixos", destaca Zanata.

Tags:
Fonte:
Gazeta Digital

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário