Produtores de frango da Rússia pedem o fim das importações

Publicado em 25/10/2010 07:39
212 exibições
Após as recentes afirmações do primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, de que o país irá fechar as portas para a entrada da carne de frango a partir do ano que vem, os produtores russos de frango também se manifestaram contra as importações, pedindo a suspensão imediata do produto estrangeiro.

Para tanto, a alegação dos criadores da Rússia de frango se baseia na forte queda dos preços do produto no mercado interno, a partir da retomada das exportações dos Estados Unidos em setembro.

Para os produtores, a concorrência é "desleal".

As justificativas de Putin haviam sido mais leves, afirmando que o setor era autossuficiente. "De 2011 em diante a Rússia poderá viver sem importar carne de frango", declarou.

Apesar das alegações, tanto do governo quanto dos avicultores do país serem diferentes, é notado que o momento para a derrubada dos preços é dos mais impróprios. Com a quebra da safra russa, os custos internos de arraçoamento sofreram fortes altas, passíveis de repasse ao produto final graças à ausência no mercado local do produto de origem norte-americana.

Segundo dados veiculados no jornal The Moscow Times, a simples entrada de 30 mil toneladas da carne de frango norte-americana causou uma queda de 5% nos preços do produto no mercado interno.

Com isso, o setor está temeroso em relação a chegada de outras 100 mil toneladas de frango dos Estados Unidos, já em trânsito e com desembarque previsto nos portos russos para os próximos dias.

Para evitar mais perdas e quedas nos preços, o setor, por meio de lideranças avícolas russas estão intensificando o pedido ao governo para a suspensão imediata das importações. Para reforçar seu pleito, fazem coro a Vladimir Putin e citam que o país já produz mais de três milhões de toneladas de carne de frango. "É o suficiente para atender o mercado interno", defendem os criadores.

Brasil

No Brasil, a carne de frango continua ganhando destaque. Segundo estudo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) de 30 de setembro a 19 de outubro as altas registradas nos preços do frango resfriado foram de 11,7%. Já a cotação da carcaça suína comum, no mesmo período, subiu 2,7% e a da especial, 3,8% no atacado da grande São Paulo. Também na capital paulista, a carcaça casada bovina teve alta de 8,8%. "Tais percentuais mostram que a carne suína foi a que menos valorizou no acumulado de outubro", informou o Cepea.
Tags:
Fonte: DCI

Nenhum comentário