Governo prorroga vencimentos do custeio da safra 2011/12

Publicado em 13/07/2012 17:32 1140 exibições
Mendes Ribeiro Filho anunciou a medida aos arrozeiros
O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mendes Ribeiro Filho, anunciou nesta sexta-feira (13/7), em uma reunião na Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), em Porto Alegre, a prorrogação para o próximo dia 30 de outubro dos vencimentos de custeio contratados no Banco do Brasil pelos arrozeiros gaúchos e catarinenses referentes à safra 2011/12.

Os vencimentos aconteceriam no próximo domingo (15/7), em Santa Catarina, e na próxima sexta-feira (20/7) no Rio Grande do Sul. A ação é necessária até que seja concluída a elaboração de um programa de refinanciamento das dívidas agrícolas, a começar pela cultura do arroz no Sul do Brasil.

A reunião contou com a presença do secretário nacional de Política Agrícola, Caio Rocha, e dirigentes da Farsul, da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do RS (Fetag) e da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), do deputado Alceu Moreira (PMDB/RS) e foi organizada pelo deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS).
Renato Rocha, presidente da Federarroz, explica que a prorrogação foi negociada diretamente entre MAPA, Ministério da Fazenda e Banco do Brasil, e se refere apenas ao vencimento do custeio da safra 2011/12, no RS representa R$ 750 milhões. “Pedimos ao MAPA e Superintendência do Banco do Brasil que sejam adiados também os vencimentos das prorrogações de custeio, investimentos, entre outras dívidas de safras passadas até entrar em vigor o programa de refinanciamento das dívidas”, explica o arrozeiro.

Enfatiza que a prorrogação não é automática. “Cada produtor precisa ir à agência e solicitá-la, mediante apresentação do recibo de depósito”, cita. A resolução não vale para os outros bancos e o ministro convocará a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para uma reunião na qual tratará deste tema e também encaminhará ao CMN pedido de adiamento para os bancos privados.
O presidente da Federarroz assegura que a medida anunciada pelo ministro é muito relevante e dá início ao atendimento dos pleitos setoriais. “Foi uma atitude correta, dentro da realidade atual do produtor de arroz. O ministro tem respaldo desta cadeia produtiva, que confia em sua capacidade para equacionar o problema do endividamento, entre outras demandas setoriais”, finaliza.
Tags:
Fonte:
Federarroz

0 comentário