Bloomberg: Geadas e seca provocam maiores prejuízos em cinco anos na safra de trigo dos EUA

Publicado em 04/04/2014 15:42 e atualizado em 07/04/2014 10:51 1134 exibições

O inverno intenso tem sido um grande problema para produtores de trigo dos Estados Unidos, o maior exportador do cereal. Além da seca prolongada que está esgotando a umidade do solo na região das Grandes Planícies, a maior região produtora, uma onda de frio polar que chegou no início de 2014 provocou fortes geadas que danificaram mais plantas que o normal. 

As plantas atingiram o estado de maior deterioração em cinco anos desde que as plantas começaram a entrar em fase de dormência, em novembro, de acordo com as corretoras de grãos Jefferies Bache LLC e CHS Hedging Inc. 

“Minha maior preocupação é a falta de umidade no solo”, diz Ron Suppes, que produz em uma área de 10 mil acres na região de Dighton, no estado de Kansas. “Nós recebemos menos de um terço do volume normal de chuvas desde que plantamos. Com menos de meio milímetro de chuvas nas próximas duas semanas, o desenvolvimento da lavoura vai decair muito rapidamente”. 

Preços em alta
A previsão de danos à safra está aumentando as preocupações com o abastecimento e já provocou o maior rally nos preços do trigo em três décadas. Os preços atingiram a maior alta em 10 meses desde 20 de março, depois que a crise entre Rússia e Ucrânia aumentou os riscos de comprometer os embarques dos grãos pelo Mar Negro. 

As exportações dos Estados Unidos para entrega antes das colheitas, em junho, estão 19% maiores em relação ao ano passado, e os estoques domésticos no dia 1º de março estavam 15% menores em relação ao ano anterior. 

Seca por todo o mundo 
O clima extremo está aumentando o preço do trigo para os consumidores finais e elevando os preços mundiais de alimentos para os maiores patamares em 10 meses em março. A seca prolongada que atingiu diversas regiões produtoras no mundo todo provocou a elevação de preços de alimentos como carne, laticínios e grãos, de acordo com informações das Nações Unidas. 

A farinha de trigo nos Estados Unidos atingiu o preço recorde de 55,5 centavos de dólar por libra-peso em fevereiro, com alta de 5,9% em relação ao ano anterior, segundo o Escritório de Estatísticas de Trabalho.

Em março, os subsolos ficaram duas vezes mais secos que o normal na região que vai do Texas até a Dakota do Norte, onde produtores cultivam trigo durum e trigo vermelho de inverno, segundo o serviço meteorológico T-Storm Weather LLC, em Chicago. 

Produtividade em baixa
A produtividade do trigo pode cair para 45,7 bushels por acre este ano – no ano passado, a média foi de 47,4 bushels / acre, de acordo com a Planalytics Inc., em Berwyn, Pennsylvania. A empresa se baseou em imagens de satélite e analises climáticas para realizar a projeção. 

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) irá divulgar sua primeira estimativa para a safra norte-americana no dia 7 de abril. O relatório deve apontar para apenas 42% das lavouras em condições boas a excelentes. Em novembro, eram 62%, de acordo com a Jefferies Bache. Uma queda de 20% na produtividade durante o inverno é a maior em registro desde 2009. 

“As primeiras análises de lavouras do ano irão mostrar quedas significativas de produtividade desde novembro”, informou Shawn McCambridge, analista sênior de grãos da Jefferies Bache, em Chicago. “Esta será uma safra anêmica, por conta do déficit de umidade”. 

No dia 1ºde abril, o monitor de estiagem (Drought Monitor, produzido em uma parceria do USDA) avaliou o nível de seca no estado de Kansas em 65%. No final de 2013, ele estava em 34%. As temperaturas no estado caíram para os menores níveis desde 1982 em fevereiro, danificando as plantas que não estavam cobertas por neve. 

As temperaturas negativas registradas ao longo das Grandes Planícies mataram algumas plantas. Segundo Jeff Bechard, presidente da cooperativa AgMark LLC, em Beloit, Kansas, os produtores devem abandonar em média 10% de suas lavouras. A média costuma ser de até 3%. 

Informações: Bloomberg

Tradução: Fernanda Bellei

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário