Plantio do trigo atinge 93% da área projetada no Rio Grande do Sul

Publicado em 18/07/2014 08:52 329 exibições

As condições meteorológicas favoreceram os produtores de trigo nos últimos dias, permitindo que o plantio evoluísse satisfatoriamente e atingisse, nessa semana, 93% da área projetada inicialmente, número que se aproxima da média histórica dos últimos anos, como aponta o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar divulgado nesta quinta-feira (17.07). 

Regiões importantes para a cultura, como Ijuí, Santa Rosa, Passo Fundo, Frederico Westphalen, entre outras, aproximam-se da finalização desta etapa. Nas regiões em que o período recomendado vai até o fim deste mês (Nordeste e Sul do Estado), a semeadura atinge cerca de 80% da área prevista. 

O clima ameno registrado nos últimos dias também tem beneficiado os produtores de tomate do Litoral Norte, que estão satisfeitos com a produção. Entretanto, o aumento da produção em função da época propícia fez com que os preços baixassem no mercado. As chuvas têm dificultado o plantio de novas áreas e também o manejo de cultivos que estão em desenvolvimento. 

Na citricultura, conforme o Informativo Conjuntural, o destaque fica por conta das laranjas. Os citricultores já finalizaram a colheita das cultivares Seleta e Shamouti, encaminhando para o final a colheita das cultivares Céu Gaúcha (Precoce) e Umbigo Bahia. No último período, teve início a colheita da laranja Valência, que tem a maior área de cultivo em todo o Rio Grande do Sul. A lima ácida Tahiti - o popular limão da caipirinha - está com baixa quantidade de frutas nas plantas. 

Em relação à bovinocultura de leite, as pastagens anuais de inverno, utilizadas em pastoreio durante os períodos com excesso de umidade, foram severamente danificadas e apresentam desenvolvimento lento, pois grande parte das plantas foi soterrada pelo pisoteio dos animais, tornando mais difícil a recuperação da produção de massa verde. As áreas onde não houve pastoreio começam a apresentar desenvolvimento vegetativo mais acelerado, mas não oferecem ainda volume suficiente para satisfazer as necessidades dos rebanhos. 

Os últimos quinze dias foram de tempo aberto e com sol, favorecendo a drenagem dos solos e o desenvolvimento e o manejo das pastagens cultivadas, especialmente aveia e azevém. No entanto, os produtores de leite continuam fornecendo forragens conservadas aos animais. Neste aspecto, a silagem de milho ainda é o principal alimento fornecido, complementado com feno e concentrados proteicos, o que eleva os custos de produção da atividade.

Tags:
Fonte:
Emater RS

0 comentário