Oferta de feijão não é tão grande quanto parece

Publicado em 20/05/2010 07:21 482 exibições
Os preços altos indicam que, para o mercado, a oferta de feijão não é tão grande quanto parece. O Departamento de Economia Rural (Deral) do Paraná prevê colheita de 315,5 mil toneladas na safra da seca. O volume é 13% inferior ao do mesmo período de 2009, quando a área plantada foi 28% maior. A projeção considera um incremento de 20% na produtividade média.

A queda na área plantada foi maior, suspeita o presidente do Instituto Brasileiro do Feijão (Ibrafe), Marcelo Lüders. “O mercado trabalha com um recuo de pelo menos 40% na área e produção de no máximo 180 mil toneladas”, diz. Ele considera que a safra da seca do foi prejudicada por uma estiagem de 20 dias na fase de enchimento de vagem e, mais recentemente, por um período de dez dias de chuva durante a colheita. Por essa avaliação, há perdas em volume e qualidade.

Indefinição

Carlos Alberto Salvador, técnico responsável pelo acompanhamento da cultura no Deral, reconhece que cerca de 3% da segunda safra paranaense foi perdida por causa do mau tempo, mas garante que não há notícias de danos maiores. “Pouco menos da metade da área foi colhida até agora. Então, ainda há muito chão pela frente. Se continuar chovendo muito durante a colheita, as perdas podem aumentar”, diz. Segundo o Deral, 48% das lavouras foram colhidas e 31% da produção estadual foi comercializada.

Tags:
Fonte:
Gazeta do Povo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário