Grãos e café – safras inesquecíveis

Publicado em 15/09/2010 08:25
334 exibições
Este ano vai ser relembrado por largo tempo como um daqueles que ficam por muito na memória. Os dados recém publicados pela Conab, em sua 12ª. previsão de safra e referentes ao ano agrícola 2009-10 confirmam um ano da graça para a agricultura brasileira (e por consequencia direta para a pecuária e os biocombustíveis). A soja tem os números mais impressionantes com uma produção de 68,69 milhões de toneladas que refletem robustos 20,2% a mais do que na safra passada. O milho de segunda safra, antes chamada de safrinha, gerou uma colheita de 20,04 milhões de toneladas, que faz somar 56,12 milhões de tons para o ano agrícola.  A euforia aumenta com os números do café beneficiado no Brasil atingindo 47,2 milhões de sacas de 60 quilos, com um aumento de 19,6% sobre os dados de produção do ano passado.

O lado preocupante disto, por mais paradoxal que possa parecer, é que tanto os números de grãos como de café foram obtidos em uma área plantada menor do que no ano anterior, levando-se em conta também as variações obtidas nos plantios de arroz, feijão e algodão. Para a próxima safra já é possível prever uma queda na produção, em escala ainda impossível de se calcular. Os cereais e oleaginosas são muito suscetíveis a variações no seu período adequado de plantio. A seca que estamos experimentando neste fim de inverno já provoca atrasos de semeadura em algumas regiões importantes que geraram estes números grandiosos. Além disto a continuidade dos efeitos do fenômeno La Niña vai refletir no difícil andamento da safra vindoura.

O mesmo pode se passar com a cana-de-açúcar. Ainda com seus números recordes não fechados para a moagem do Centro-Sul, que pode se prolongar até final de novembro, já sabemos da grande probabilidade de não repetirmos esta safra no ano vindouro, em função também da seca aliada à falta de tratos culturais que se fizeram presentes nas duas ou três últimas temporadas.

Vamos então festejar estes números anunciados e estar preparados para um ano com produção menor, talvez bem menor.
Tags:
Fonte: Portal Exame

Nenhum comentário