Nova política agrícola para o trigo está em discussão no sul do país

Publicado em 15/09/2010 08:41
607 exibições
A qualidade do trigo produzido no Brasil foi um dos destaques do primeiro dia do Encontro Internacional do Setor Tritícola, em Gramado, no Rio Grande do Sul. Até esta terça, dia 14, produtores, empresários de moinhos e panificadoras e lideranças ligadas ao agronegócio debateram os principais problemas do setor.

O produtor rural Rodrigo Carasa disse que é preciso um bom preço e uma política agrícola voltada para o setor. O desejo reflete o que pensa a maioria dos produtores de trigo.

Uma nova política agrícola para o trigo foi o tema da abertura do congresso na Serra Gaúcha. O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Edilson Guimarães, falou sobre a importância de melhorar a qualidade da produção nacional.

Nós estamos trabalhando muito nisso para melhorar a qualidade do trigo no Brasil. Já temos conseguido, algumas coisas já vêm ocorrendo, mas eu acho que este é um esforço que tem que ser feito por todo mundo para você realmente produzir um trigo melhor, um trigo que tenha realmente uma maior aceitação para mercado disse Guimarães.

Rodrigues comentou ainda a polêmica sobre o preço mínimo do trigo. O pedido de revisão do valor, feito por produtores do Paraná, foi negado pela Justiça.

O preço mínimo foi definido como 10% menos que no ano passado por haver uma diminuição nos custos. A justificativa para diminuição foi esta. Houve aquela liminar, mas que já foi derrubada no STJ. Eu não entendo muito dessas questões jurídicas, mas me parece que esta fase passou. Este é o preço que deve vigorar nesta safra afirmou o secretário.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), Sérgio Amaral, que organiza o encontro, também falou sobre o preço mínimo e a qualidade do produto.

Nós somos solidários com o produtor, porque para haver um moinho forte e competitivo, é preciso haver um produtor de trigo forte e competitivo. Agora, isso é uma questão de relação do produtor com o governo. Como este ano os preços do trigo subiram consideravelmente no mercado internacional, é possível que nem se precise de preço mínimo porque os preços de mercado estão acima dos preços mínimos. Eu acho que isso é bom, principalmente aqui no Rio Grande do Sul sobretudo, que tem tradicionalmente um número muito importante de produtores explicou Amaral.
Tags:
Fonte: Canal Rural

Nenhum comentário