MT pode retomar 1° lugar de maior produtor brasileiro de grãos e fibras

Publicado em 08/10/2010 07:57
294 exibições
Projeções otimistas da Conab mostram que o Estado poderá agregar mais 1 milhão de toneladas, mesmo sob efeito da seca e do La Niña.
Mato Grosso poderá retomar o título de maior produtor de grãos e fibras do Brasil na atual temporada ao se aproximar de uma produção de 40 milhões de toneladas, números jamais contabilizados. Se as projeções da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) se concretizarem a expansão no Estado, de uma safra para outra, será de 7,1%, percentual suficiente para superar o concorrente Paraná e responder por quase 60% da produção do Centro-Oeste e a 20% do Brasil.

Conforme as informações contidas no primeiro levantamento da safra 10/11, divulgado nesta quinta-feira (07) pela Conab, ambos os cenários traçados pela entidade são otimistas já em prevêem crescimento da produção mato-grossense que mal teve início em função da severa estiagem e da ocorrência do La Niña. Os números deixam claro que neste primeiro momento a Conab se pauta mais nos fundamentos mercadológicos, ou seja, na alta demanda por commodities - o que tem valorizado as cotações da soja, do algodão, do trigo e do milho no mercado internacional - do que de fato nas condições climáticas atuais que impedem Mato Grosso de ampliar a semeadura da soja, cultura que vai ditar o tamanho das safrinhas de algodão e milho em 2011 no Estado.

A projeção da Conab prevê que a área plantada, em Mato Grosso, passará de 9,13 milhões de hectares para até 9,39 milhões, o que permitiria uma expansão de até 2,8%. Para a produtividade a análise projeta 3,30 mil quilos por hectare e alta de 4,4% em relação ao ciclo anterior e a produção ganharia pouco mais de 1 milhão de toneladas, passando de 28,93 milhões para 30,98 milhões t, num crescimento que pode variar num intervalo maior de 5,5% até 7%.

O acréscimo de 1 milhão de toneladas a mais na produção mato-grossense virá da expansão do milho safrinha, etapa da produção do grão onde Mato Grosso oferta a maior produção nacional, o recorde está mantido por mais uma temporada e com previsão de ficar 11,9% maior. A safrinha tem previsão de ampliar a produção em quase 1 milhão de toneladas, pois as estimativas apontam para uma colheita de 8,71 milhões t, contra 7,78 milhões t, saldo da temporada 09/10. Chama à atenção do segmento produtivo é que segundo a Conab a área plantada se estabiliza em 1,9 milhão de ha volume idêntico ao observado na safra passada enquanto a produtividade, mesmo sob as ameaças de um período regido por índices pluviométricos menores, tem estimativas de elevação, passando de 4,04 mil quilos/ha para 4,53 mil, alta de 11,9%.

O algodão tem as estimativas mais positivas da agricultura de mato Grosso, expansão de até 47,9% em relação à temporada 09/10. A Conab acredita que área destinada à cultura passará de 428 mil hectares para até 560 mil ha, expansão de 31%. Neste cenário a produtividade passaria de 1,36 mil quilos para 1,53 mil (+12,9%) e a produção de pluma saindo de 583,5 mil t para 862,8 mil t, alta de 47,9%.

Como explica o diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Silvio Porto, há um momento eufórico em relação aos preços tanto ao algodão como a soja e como isso já está sendo sentido, tem ditado o planejamento dos produtores.

A soja deverá contabilizar neste ciclo alta de 4,3% na produção, que deverá sair do patamar de 18,76 milhões t para 19,50 milhões t. A área plantada incorporará 118,2 mil ha, saindo 6,22 milhões para até 6,39 milhões ha, alta de 2,8%.

Líder - O Paraná, depois de recuperar a produção atingida por forte estiagem na temporada 08/09, foi o maior produtor de grãos e fibras da safra 90/10, porém, segundo a Conab, tem previsões de encolher a produção entre 4,4% até 6%. No ciclo passado os paranaenses produziram 31,35 milhões t. Para a atual safra a produção pode ficar entre 29,47 milhões t a 29,96 milhões t. Para o estado há projeção de queda de até 17% para o milho, 2% à soja e 2,3% no feijão.
Tags:
Fonte: Diário de Cuiabá

Nenhum comentário