Em setembro, IBGE prevê safra de grãos 11,1% maior que a de 2009

Publicado em 03/11/2010 15:06
530 exibições
Clique aqui para ampliar!

A safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas2 deve somar 148,9 milhões de toneladas em 2010, passando a ser a maior safra da série histórica da produção nacional, neste levantamento de setembro. Este volume é 11,1% maior que o obtido em 2009 (134,0 milhões de toneladas) e 0,6% maior que a estimativa de agosto (148,0 milhões de toneladas). É o que indica a nona estimativa do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA)3. A área a ser colhida em 2010, de 46,7 milhões de hectares, apresenta decréscimo de 1,1% frente à área colhida de 2009. As três principais culturas, soja, milho e arroz, que somadas respondem por 83,5% dessa área, apresentam variações de +7,6%, -6,6% e -6,4%, respectivamente, em relação a 2009. As três representam 91,1% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas; no que se refere à produção, o milho e a soja apresentam, nessa ordem, acréscimos de 8,5% e 20,6%; o arroz registra decréscimo de 10,5%.

O volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas esperado para 2010 tem a seguinte distribuição regional: região Sul, 63,6 milhões de toneladas; Centro-Oeste, 52,2 milhões de toneladas; Sudeste, 17,3 milhões de toneladas; Nordeste, 11,8 milhões de toneladas e Norte, 4,0 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, são constatados os seguintes incrementos: Norte, 6,1%, Nordeste, 0,2%, Sudeste, 0,5%, Sul, 21,3% e Centro-Oeste, 6,9%. O Paraná mantém a liderança na produção nacional de grãos, ultrapassando o Mato Grosso, que em 2009 ocupou essa posição, em 2,2 pontos percentuais.

Clique aqui para ampliar!

Destaques na produção de setembro comparada às informações de agosto

Em setembro destacam-se as variações nas estimativas de produção de cinco culturas, comparativamente ao mês de agosto: algodão herbáceo em caroço (-1,2%), feijão em grão total (+0,5%), milho em grão total (+1,5%), soja em grão (+0,0%) e trigo em grão (+1,7%).

 Algodão Herbáceo (em caroço)

A nona estimativa para a produção do algodão herbáceo em caroço de 2010 é da ordem de 2,9 milhões de toneladas apresentando -1,2% comparativamente a agosto. Essa retração ocorreu como resultado das alterações nos dados dos dois principais estados produtores. No Mato Grosso, maior produtor nacional, com 49,8% de participação, apesar da estimativa de área plantada ser 0,1% maior que a avaliada em agosto, a produção variou -1,4%, com retração no rendimento médio em -1,5% em setembro (3.462 kg/ha contra 3.515 kg/ha em agosto). O decréscimo reflete a escassez de chuvas desde abril de 2010 que provocou prejuízos, principalmente no cultivo da 2ª safra, responsável por cerca de 63,0% da área plantada no Estado. Na Bahia, segundo maior produtor, com participação de 34,1%, a produção decresceu 1,9% devido à revisão em -2,9% no rendimento médio da cultura, agora estimado em 3.697 kg/ha.

Feijão (em grão) total

A produção nacional de feijão, considerando as três safras, está avaliada em 3,3 milhões de toneladas, superior em 0,5% a do levantamento anterior. Em comparação a agosto, a 1ª safra (que já está colhida) teve variação de -0,2% devido à reavaliação nos dados finais. Já no que se refere à 2ª safra, o acréscimo de +1,2% se deve, principalmente, à reavaliação de dados no Nordeste, em especial na Bahia (segundo principal produtor de 2ª safra) que teve aumento de 7,2% no rendimento médio e 8,7% na produção. Para a 3ª safra, que tem ganho na produção de 1,0%, só no Paraná a colheita encontra-se concluída. O aumento registrado se refere principalmente ao incremento de 14,3% na produção prevista para o Mato Grosso, onde também houve aumento na área plantada (5,5%) e no rendimento médio (8,3%).

Milho (em grão) total

A produção nacional do milho em grão em 2010, para ambas as safras, totaliza 55,6 milhões de toneladas, 1,5% maior do que no levantamento anterior. Isso se deve principalmente às alterações realizadas nos dados da 2ª safra do produto, tendo em vista que a primeira (já colhida nos principais centros produtores), registrou inexpressiva redução de 2,4 mil toneladas, para uma produção prevista de 33,8 milhões de toneladas.

A produção de milho 2ª safra, estimada em 21,8 milhões de toneladas, superou em 3,9% a informação do mês passado, como resultado tanto da reavaliação positiva de 1,1% na área a ser colhida, como de 2,7% no rendimento médio. Os responsáveis por essas alterações foram os dois maiores estados produtores, que revisaram os dados finais das colheitas: Mato Grosso (35,7% de participação na produção nacional), com ganho de 8,3%, e Paraná (30,4% de participação), com 3,8%.

Soja (em grão)

Para a soja, com base nos levantamentos de setembro, a produção esperada (68,7 milhões de toneladas) é apenas 11,5 mil toneladas maior que a do levantamento anterior, mas apresenta variação positiva de 20,6% em comparação ao volume obtido em 2009 e supera em cerca de 16,0% o até então recorde de 2008, de 59,2 milhões de toneladas. A área colhida cresceu 7,6%, chegando a 23,4 milhões de hectares; já o rendimento médio, de 2.935 kg/ha, cresceu 12,1%. A colheita já está encerrada nos centros produtores (exceto o Pará) e o acréscimo se deve, particularmente, às revisões nos dados de colheita do Tocantins.

 Trigo (em grão)

O trigo, principal cereal do período de inverno, tem expectativa de produção de 5,5 milhões de toneladas, 1,7% a mais do que a informada em agosto. Esse aumento é consequência, principalmente, das modificações nos dados do Paraná maior produtor e responsável por 58,9% da produção prevista para o País. No Centro Sul e em parte do Sudoeste deste estado, os plantios são tardios, enquanto que nas regiões Norte e Oeste, cujos plantios são efetuados mais cedo, com o avançar das atividades de colheita, estão sendo aferidos melhores valores nos rendimentos médios da cultura, razão pela qual, mesmo com retração de 0,4% da área, a produção está reajustada em +3,0%.

 Estimativa da produção em relação a 2009 é maior para 16 produtos

Dentre os 25 produtos selecionados, 16 apresentam variação positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: aveia em grão (+37,0%), batata-inglesa 1ª safra (+2,8%), 2ª safra (+13,2%) e 3ª safra (+1,7%), cacau em amêndoa (+3,2%), café em grão (+14,8%), cana-de-açúcar (+1,3%), cebola (+7,7%), cevada em grão (+32,7%), feijão em grão 3ª safra (+17,2%), laranja (+3,8%), mandioca (+0,2%), milho em grão 2ª safra (+27,1%), soja em grão (+20,6%), trigo em grão (+10,0%) e triticale em grão (+2,1%). Os nove produtos com variação negativa são: algodão herbáceo em caroço (-0,2%), amendoim em casca 1ª safra (-21,2%) e 2ª safra (-48,5%), arroz em casca (-10,5%), feijão em grão 1ª safra (-3,4%) e 2ª safra (-14,9%), mamona em baga (-8,6%), milho em grão 1ª safra (-0,8%) e sorgo em grão (-13,7%).

Com a colheita encaminhando-se para o final, o café tem sua produção nacional estimada em 2,8 milhões de toneladas, (46,5 milhões de sacas de 60kg), contra 40,5 milhões de sacas produzidas em 2009, indicando acréscimo de 14,8% da produção nacional em relação a 2009. A área destinada à colheita é de 2,1 milhões de hectares, com rendimento médio esperado de 1.299 kg/ha, 13,9% maior que de 2009, indicação de um ano de safra cheia.

Notas

1 Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos para Cereais, leguminosas e oleaginosas, ora divulgados, foram realizados em estreita colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, órgão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, continuando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra, iniciado em outubro de 2007, para as principais lavouras brasileiras.

 2 Caroço de algodão, amendoim, arroz, feijão, mamona, milho, soja, aveia, centeio, cevada, girassol, sorgo, trigo e triticale.

3 O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) é uma pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras dos principais produtos agrícolas, cujas informações são obtidas por intermédio das Comissões Municipais (COMEA) e/ou Regionais (COREA); consolidadas em nível estadual pelos Grupos de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias (GCEA) e posteriormente, avaliadas, em nível nacional, pela Comissão Especial de Planejamento Controle e Avaliação das Estatísticas Agropecuárias (CEPAGRO) constituída por representantes do IBGE e do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA).
Tags:
Fonte: Ricardo Bergamini

Nenhum comentário