Começa o plantio de trigo de trigo irrigado em MT

Publicado em 03/05/2011 09:01 346 exibições
Maio e junho são os meses de plantio de trigo irrigado em Mato Grosso. Este ano a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) terá 5 variedades diferentes nos campos experimentais. Em 2010 foram plantadas 11 e, em 2011 serão 16. A previsão de produtividade média oscila entre 70 e 75 sacas por hectare. Mato Grosso ainda não tem lavoura comercial de trigo, as primeiras serão plantadas em Lucas do Rio Verde, Sorriso e Nova Mutum.

Qualidade e produtividade acima da média. É assim que o técnico e pesquisador da Empaer Hortencio Paro descreve o trigo mato-grossense. Segundo ele, a média da força de glutem é de 250, sendo que a partir de 180 já mostra qualidade aceitável para o mercado. Na opinião de Hortencio a única coisa que falta em Mato Grosso para que o cultivo comercial de trigo deslanche é a quebra do estigma de que o Estado não produz o cereal.

Este ano, em Sorriso, foi confirmado o plantio de 240 hectares. Nos outros municípios os produtores que se dispuseram a investir nesta cultura ainda estão em fase de preparação do solo. O plantio deve
acontecer até o fim de junho.

A Empaer pesquisa o trigo há muitos anos em unidades de demonstração e campos experimentais espalhados por vários municípios mato-grossenses. De acordo com Hortencio, em 2011 serão instalados experimentos de trigo de sequeiro em Alto Garça, Campo Verde, Nova Mutum, Tangará da Serra, Lucas do Rio Verde e na Escola Agrotécnica de São Vicente. Já o irrigado será plantado em Sorriso, Lucas do Rio Verde e Primavera do Leste.

O trigo de sequeiro já foi todo plantado e a partir do início de maio começa o plantio do irrigado. Hortencio faz questão de ressaltar as vantagens do cultivo do trigo para o produtor rural. Segundo ele, quando usado no sistema de rotação de cultura, reduz a incidência de ferrugem asiática, esclerotinia, nematóide de galha e outras pragas e doenças que afetam principalmente o algodão e a soja.
Além disso, após a colheita, a palhada deixada no solo promove a supressão de invasora, diminui o uso de herbicida na solo e, consequentemente o custo de produção. "Isso sem falar que contribui com a
preservação e conservação do meio ambiente".

Na comercialização, a vantagem para os produtores que optarem pelo trigo é a isenção do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Assim o preço da saca em 2010 oscilou entre R$ 34 e R$ 35.

Enquanto no Paraná a saca de 60 quilos de trigo foi negociada em média a R$ 24. "Essa diferença se dá em função da qualidade do nosso produto e a isenção do imposto".

Hortencio diz que em Cuiabá há um moinho instalado no Distrito Industrial de Cuiabá que está operando somente com parte da capacidade.

"Esta ocioso por falta de matéria prima. Assim que houver a produção de trigo no Estado, o moinho pode voltar a operar com 100% da capacidade". O técnico também enfatiza que Mato Grosso tem aproximadamente 40 mil hectares de área irrigada e que o trigo seria uma excelente opção para a
rotação de cultura.

Tags:
Fonte:
A Gazeta

0 comentário