Trigo: mercado aguarda informações do Governo sobre leilões

Publicado em 07/11/2011 09:56 364 exibições
*Boletim semanal elaborado por Safras & Mercado para Sistema Faep
O mercado brasileiro de trigo segue operando sem grandes alterações de preços e com ritmo lento nos negócios. "Uma conjuntura de fatores, fundamentais e exógenos, vem colaborando para que a
situação se mantenha estável", explicou o analista de SAFRAS & Mercado, Michael Favero. No lado fundamental, temos uma forte pressão de oferta, interna e externa, que se soma às perdas qualitativas na safra do Paraná, maior produtor brasileiro. Ademais, desde o início de outubro, o dólar engatou um movimento de depreciação frente ao real que barateou as compras externas e fez com que os poucos compradores que ainda procuravam trigo dentro do país se voltassem para o mercado externo. "Dessa forma, ao longo do último período foram reportadas apenas negociações pontuais no mercado interno, resultado de necessidades urgentes e/ou específicas por parte da
indústria moageira", salientou o analista.

No mercado externo, a Rússia entrou no mercado praticando preços bastante agressivos, e vem cumprindo o objetivo que estabeleceu no início da colheita - o de retomar os mercados perdidos em 2010/11, sobretudo no continente africano. "Além disso, essa disponibilidade de cereal com preços reduzidos acaba afetando indiretamente as cotações praticadas no Brasil, uma vez que uma queda nas Bolsas norteamericanas acaba sendo repassada para a Argentina e, devido à paridade de importação, os preços internos são puxados para baixo', disse Favero.

Segundo o último relatório da Emater/RS, a colheita no estado segue em ritmo considerado normal, segundo técnicos e produtores, alcançando 35% da área plantada nesta safra. O produto retirado das lavouras neste primeiro terço é considerado bom (pH acima de 79), assim como
são os rendimentos obtidos até o momento, com muitos casos superando as expectativas e atingindo produtividades próximas a 3.000 kg/ha. As lavouras que ainda se encontram em fase de formação de grão (29% do total) também apresentam sanidade e potencial produtivo muito bom,
beneficiadas pelas condições de tempo seco, o que minimiza a incidências de doenças fúngicas típicas de final de ciclo.

Segundo o último relatório do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de estado da Agricultura e do Abastecimento (SEAB) do Paraná, a colheita de trigo está em 80% estado. Na semana anterior o dado era de 74%. Encontram-se em boas condições 81% das lavouras, em
situação média são 16% e 3% em condições ruins. Do total, 0% das plantações estão em germinação, 0% em desenvolvimento vegetativo, 0% em floração, 25% em frutificação e 75% em maturação. "Se, por um lado, no Paraná tivemos uma safra cerca de 17% abaixo do que era estimado inicialmente e com perdas na qualidade do grão, por outro, no Rio Grande do Sul, as primeiras amostras da safra mostram que teremos rendimentos, qualitativos e quantitativos, acima do esperado", comentou o analista.

Ontem o governo informou a realização dos primeiros leilões para auxiliar no escoamento da safra brasileira de trigo. O primeiro leilão de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro), que segue aviso 460, vai disponibilizar 35 mil toneladas(t) de trigo em grãos provenientes dos três
estados da região Sul. O participante deverá, obrigatoriamente, comprovar a venda do produto para uma indústria moageira sediada na Unidade da Federação de plantio do trigo ou a venda e o escoamento do grão para qualquer consumidor final sediado fora da Unidade da Federação de plantio.

O leilão de Prêmio para Escoamento (PEP), detalhado no aviso 461, vai comercializar 165 mil t do grão. A maior parte foi plantada no estado do Paraná (100 mil t) e o restante é proveniente do Rio Grande do Sul (50 mil t) e de Santa Catarina (15 mil t). Os participantes poderão ser indústrias
moageiras de trigo e comerciantes de cereais, sediados ou não na Unidade da Federação de plantio. O participante deve comprovar a venda do trigo em grãos para qualquer consumidor final sediado fora da Unidade da Federação de plantio.

O terceiro leilão, que segue aviso 462, será de PEP para escoamento de 100 mil t do grão. Poderão participar do leilão as indústrias moageiras de trigo ou comerciantes de cereais. O escoamento dos grãos poderá ser para qualquer localidade, exceto para os estados que compõem as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

"Após a divulgação por parte do governo federal da realização de dois leilões de PEP e um de PEPRO, visando o escoamento de 300.000 toneladas de cereal proveniente do PR, SC e RS, as atenções dos agentes ficam por conta da divulgação do valor dos prêmios que serão praticados nos avisos", concluiu Favero. Além das ofertas da próxima semana, a Secretaria de
Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, lançou o calendário com as datas das próximas operações de subvenção, que ocorrerão nos dias 23/11; 07/12; 21/12; 04/01/12; 18/01/12; 01/02/2012; 15/02/12 e 29/02/12.

Tags:
Fonte:
Faep

0 comentário