Produtores querem cacau com alta produtividade

Publicado em 22/08/2019 16:32
26 exibições
Usando tecnologia desenvolvida pela Ceplac, cacauicultores da Bahia aumentaram produção. Meta é ultrapassar a média de 500 arrobas por hectare

Produtores de cacau de diferentes regiões do país buscam capacitação para aumentar a produtividade usando tecnologia desenvolvida pela Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC). O objetivo dos cacauicultores é atingir a produção de 500 arrobas de cacau por hectare.

A média é estabelecida pelo Programa [email protected] - Tecnologia para Cacau de Alta Produtividade, desenvolvido com base em tecnologias geradas pelo Centro de Pesquisas do Cacau-CEPEC e levadas ao produtor de cacau por técnicos do Centro de Extensão-CENEX, da CEPLAC. A metodologia de transferência de tecnologia é feita através da formação de grupos de produtores nos municípios do sul da Bahia, que vão praticando os ensinamentos em suas fazendas e elevando gradativamente a sua produção de cacau.

Os resultados alcançados no projeto foram apresentados no seminário Tecnologia para Cacau de Alta Produtividade, realizado na última terça-feira (20), no Centro de Pesquisas do Cacau (CEPEC) na Sede Regional da CEPLAC na Bahia. A participação no evento ultrapassou a expectativa dos organizadores. Planejado inicialmente para 300 participantes, o evento registrou a inscrição de 764 produtores de cacau vindos de 36 municípios da região cacaueira da Bahia, além de participantes em caravana vindas de outros estados, tais como Pará e Espírito Santo.

As palestras apresentadas foram divididas em quatro grandes temas: Novos Conhecimentos Tecnológicos para Cacau de Alta Produtividade, Assistência Técnica Coletiva, Tecnologia Aplicada para Cacau de Alta Produtividade e Protagonismo do Produtor Rural. No evento, quatro produtores participantes do programa Cacau [email protected], fizeram exposição de resultados obtidos e da evolução de produtividade.

Resultados

O produtor Marcos Melo, da Fazenda Rio Doce, no município de Canavieiras, é um dos participantes que conseguiu elevar a produtividade de forma significativa. No seminário, ele mostrou como ultrapassou a marca das 500 arrobas de cacau por hectare, com tecnologia da CEPLAC. O produtor José Carlos Maltez, da Fazenda Limoeiro, também participante do programa de alta produtividade da CEPLAC, mostrou dados de produção acima de 200 arrobas por hectare obtida no sistema Cabruca, cacau plantado sob floresta, com preservação de mananciais de água, fauna e flora.

Também fizeram exposição de dados de elevação de produtividade em suas fazendas os produtores Paulo Gleig e o jovem cacauicultor Tiago Machado, que também já quebrou a barreira das 200 arrobas de cacau por hectare e
continua avançando em direção das 500 arrobas por hectare.

Uma das palestras que despertaram muita atenção dos participantes foi sobre as novas tecnologias de polinização do cacaueiro, especialmente a polinização feita por eficiente máquina sopradora, adaptada pelo pesquisador da CEPLAC, Kazuiyuki Nakayama, para substituir o trabalho de polinização manual. 

Nos debates, outros produtores revelaram interesse em se engajarem no programa Cacau [email protected] A platéia formada em sua maioria por jovens, homens e mulheres, filhos e netos de produtores, também demonstrou interesse de entrar na atividade de produção de cacau, com o desejo de procurar a CEPLAC para fazer seus projetos de cultivos, participar do programa de alta produtividade e assegurar o acompanhamento da assistência técnica e extensão rural do órgão do Ministério da Agricultura.

Outra preocupação revelada pelos produtores foi quanto à segurança de seus investimentos na cacauicultura com relação à ameaça de entrada da doença monilíase no Brasil, com alto poder destrutivo da lavoura, e o que está sendo feito tanto de forma preventiva quanto de defesa genética.

Os técnicos da CEPLAC informaram que a instituição já vem há mais de cinco anos estudando a obtenção de clones resistentes, colaborando com os países que pesquisam a doença e que o trabalho preventivo é feito pelo MAPA e pelos governos dos estados onde há cultivo do cacau. Foram informados que convênios estão sendo realizados com instituições de pesquisa do Equador e Peru para testar os materiais brasileiros selecionados para resistência à doença em áreas infestadas de monilíase nesses países.

Os organizadores do evento ficaram muito satisfeitos com a resposta dada ao evento pelos produtores, distribuirão vídeos com o conteúdo das palestras e programarão novos seminários com temas que despertem o interesse e atendam às necessidades dos produtores de cacau.

Tags:
Fonte: Mapa

0 comentário