Alagoas é um dos maiores produtores de mandioca do Nordeste

Publicado em 21/10/2010 08:28
603 exibições
Região Agreste produz 18 toneladas por hectare, é a maior do Estado e superior à média nacional
Para transformar Alagoas no principal polo nordestino de industrialização da mandioca, foi criado na região do Agreste o Arranjo Produtivo Local (APL) voltado para o setor. Responsável pelo fortalecimento do desenvolvimento local com base na sustentabilidade dos produtores de 14 municípios alagoanos, o arranjo realiza cursos, palestras, seminários, visitas técnicas, feiras, consultorias e implanta clínicas tecnológicas.

Segundo o gestor do APL Mandioca do Agreste, Nelson Vieira, a região constitui uma referência estadual no plantio e processamento da mandioca. A produtividade de 18t/ha alcançada na região é a maior do Estado e é superior à média nacional. Os principais produtos do APL são as raízes vendidas in natura, a farinha e a fécula de mandioca.

O APL promove, regularmente, ações que contribuem para o fortalecimento da organização; a melhoria do nível de conhecimento tecnológico; o beneficiamento e diversificação da produção, gerando ocupação e renda; e o crescimento econômico e financeiro com sustentabilidade.

As ações incluem a contratação de Agentes de Desenvolvimento Rural para prestar assistência técnica aos produtores do APL; atualização dos custos de produção de farinha e de raiz de mandioca; instalação de cisternas nas casas de farinha comunitárias e a revitalização das mesmas; realização de seminários para debater a produção; e formação de estoque regulador de farinha pelo Programa de Aquisição de Farinha.

O APL Mandioca do Agreste se apresenta como uma das ações mais significativas do Estado para o setor. Em 2009, mais de R$ 21 milhões foram investidos, resultando na produção anual de aproximadamente 325 mil toneladas de raiz. Assim, podemos incentivar a produção e melhorar a qualidade dos nossos produtos para estar mais competitivos no mercado, comenta o gestor, satisfeito com os resultados.
Tags:
Fonte: Sertão 24 horas

Nenhum comentário