Paraná dá voto de confiança à uva das encostas

Publicado em 27/01/2011 07:12 430 exibições
Os 45 parreirais implantados três anos atrás em encostas da região de Curitiba rendem a primeira colheita a partir desta semana. Produtores de Campo Largo, Palmeira, Balsa Nova, Lapa, Imbituva e Antonio Olinto tentam recuperar a tradição deixada de lado há 30 anos. Agora, com plantas resistentes à pérola, praga que ataca as raízes e aniquilou a cultura na década de 70, querem resolver uma contradição: o fato de atuarem a menos de 150 quilômetros da maior indústria de vinho de mesa do Brasil, a vinícola Família Zanlorenzi – antiga Campo Largo –, mas não sustentarem o fornecimento da fruta.

Localizada em Campo Largo, a indústria depende de 20 mil vitinicultores do Rio Grande do Sul, maior produtor nacional de uva. Em parcerias com produtores e órgãos públicos de cada município, a própria Zanlorenzi, que atua no interior do Paraná desde a década de 30, resolveu incentivar o projeto Uva Nossa. Está fornecendo mudas, palanques, arame e assistência técnica aos novos produtores, que podem pagar o investimento com o rendimento das próprias parreiras.

O custo de implantação de um hectare de uva chega a R$ 20 mil, mas pode ser pago com o rendimento de uma safra. Os produtores esperam colher de 25 a 30 toneladas por hectare e vêm recebendo R$ 0,70 por quilo fornecido à indústria. Os novos parreirais são pequenos, totalizando uma área de 50 hectares, e a produção deve ser destinada para a fabricação de suco.

A intenção é fazer com que o Paraná volte “gradativamente” a ser um grande produtor de uvas e vinho, afirma o diretor presidente da Famiglia Zanlorenzi Grupo Vinícola, Giorgeo Zanlorenzi. A empresa lançou 37 novos produtos nos últimos cinco anos. A diversificação se tornou questão de sobrevivência para famílias que atuam em pequenas áreas e não conseguem mais se manter com lavouras de milho e feijão, defende o secretário de Desenvolvimento Rural de Campo Largo, Lino Petry.

O produtor Rafael Cosmo da Silva, de Campo Largo, espera quitar logo o parreiral e incrementar a renda da propriedade. Ele dedica 1,5 hectare à uva, de um total de 18 hectares. Se a aposta der certo, pretende ampliar o negócio repassando área do milho e do feijão, que ainda ocupam 85% da área de cultivo, para a fruticultura. A uva promete render mais que o pêssego, cultivado em 1 hectare, e o tomate, que tem 1/3 de hectare (3,3 mil metros quadrados). Quando alcançar a meta de 30 toneladas de uva por hectare, terá renda de R$ 20 mil por safra.

Tags:
Fonte:
Gazeta do Povo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário