Fundecitrus alerta para o controle da podridão floral, que prejudicou muitos citricultores em 2009

Publicado em 07/07/2010 17:37 1120 exibições

Conhecida popularmente como estrelinha, a podridão floral, causada pelo fungo Colletotrichum acutatum, preocupou citricultores de todo o Estado de São Paulo em 2009 devido à ocorrência de chuvas frequentes durante o período de florescimento.
Por isso, o Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus) faz um importante alerta: os produtores, principalmente da região sudoeste, precisam estar atentos ao controle da doença, visto que, a doença pode se manifestar apenas pela ocorrência de longos períodos de molhamentos causados por orvalho e neblina, embora a ocorrência das chuvas contribua significativamente para o aumento da severidade doença.
A doença pode ser manifestada em pétalas e também no pistilo, causando queda dos frutos e formando os sintomas conhecidos por “estrelinhas” em todas as variedades de citros comerciais. Para evitar que a doença se dissemine e gere grandes prejuízos,  os citricultores precisam estar atentos às ações fitossanitárias de manejo da doença.  Como a podridão floral ocorre durante o florescimento, além do controle com fungicidas, todas as práticas que possam antecipar, uniformizar ou reduzir o período de florescimento se tornam importantes, como o manejo de irrigação e da adubação, uso de hormônios e de porta-enxertos que induzem florescimento precoce.
Como o fungo pode sobreviver em ramos, folhas e outros órgãos verdes da planta, os citricultores, especialmente da região sudoeste do Estado –mais afetada pela doença – devem estar atentos à ocorrência de surtos de florescimento antes da florada principal, normalmente em setembro, pois estas flores podem ser infectadas aumentando a presença do fungo na área. “Para as demais regiões, os produtores devem levar em consideração o histórico da doença na área e as condições climáticas, tendo em vista que as condições favoráveis para a doença não ocorrem todos os anos, dispensando em muitos casos o uso de fungicidas”, explica o pesquisador do Fundecitrus Geraldo José Silva Junior.
Outro cuidado especial é com as variedades que apresentam florescimento não uniforme como a laranja ‘Pêra’, já que para controlar a doença muitas vezes é preciso realizar um número maior de pulverizações. Nos talhões onde se torna difícil o acesso dos implementos após as chuvas, deve-se ter mais atenção e sempre que possível realizar as pulverizações antes das chuvas como uma medida preventiva.
“É importante que o produtor avalie o estádio de desenvolvimento das flores de cada talhão e dê preferência para pulverizar os talhões mais críticos e que já estejam com as flores abertas” diz. A recomendação é que ele realize pulverizações com intervalos de 7 dias durante o florescimento em condições favoráveis para a ocorrência da doença. 
 Segundo o pesquisador, dos diferentes produtos testados para o controle da doença, os pertencentes aos grupos dos benzimidazóis, estrobirulinas, ftalimidas e triazóis têm apresentado redução significativa da doença, mas em condições muito favoráveis para ocorrência da estrelinha o uso da mistura de alguns produtos desses grupos, como triazóis e estrobirulinas, tem apresentado melhores resultados no controle da doença. Alguns estudos estão em andamento para avaliar o efeito de produtos na redução do inóculo antes do período de florescimento. Trabalhos também estão sendo realizados para adaptar o sistema de previsão da doença para as condições do sudoeste do Estado.

Sintomas da doença

As plantas infectadas com a podridão floral apresentam lesões róseo-alaranjadas nas pétalas e lesões escuras no pistilo (estilete ou estigma). Nessas árvores, os frutos recém-formados têm descoloração e caem rapidamente. Os cálices, por sua vez, ficam aderidos aos ramos por mais de um ano, formando as estruturas conhecidas por estrelinhas.


O Fundecitrus

Em 33 anos de existência, o Fundecitrus é mundialmente reconhecido como exemplo de competência em suas ações para a sanidade dos pomares, combate às doenças cítricas e pesquisas. A atuação do Fundecitrus permitiu que 99% dos pomares não apresentassem sintomas de cancro cítrico durante os últimos dez anos. Estima-se que a política de combate à doença evitou  gastos equivalentes a R$ 2 bilhões. 
O Fundecitrus também teve papel fundamental para que duas doenças até então desconhecidas, que poderiam inviabilizar a citricultura brasileira – CVC (Clorose Variegada dos Citros) e MSC (Morte Súbita dos Citros) –, pudessem ser controladas. Por meio de monitoramento rigoroso e trabalhos de pesquisas feitos em seus laboratórios ou por parceiros, com financiamento da instituição, é que se conseguiu não só controlar as doenças como também tornar a citricultura competitiva.
Este ano, o Fundecitrus mudou sua estratégia de atuação no Estado de São Paulo. As mudanças adotadas buscam maior enfoque na conscientização e educação fitossanitária, prestação de serviços e capacitação de produtores. Na área de pesquisa, o Fundecitrus ampliará o conhecimento, a difusão e a incorporação de tecnologias. Na área técnica, as visitas de agrônomos às propriedades, palestras, cursos e treinamentos serão intensificados.

Tags:
Fonte:
Com Texto

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário