Caminhão de sete eixos pagará R$157,00 para percorrer 850 km da BR-163 em MT

Publicado em 28/11/2013 12:37 e atualizado em 28/11/2013 16:55 1007 exibições
A previsão é que a cobrança de pedágio aconteça a partir do 18º mês de concessão.

Para cada 100 quilômetros rodados na BR-163, a Odebrecht S/A cobrará R$ 2,63. A empresa arrematou a concessão  do trecho de 850,9 quilômetros da rodovia, da divisa entre Mato Grosso do Sul e Mato Grosso até a cidade de Sinop (MT), na quarta (27). O prazo de concessão é de 30 anos, e nesse período, a empresa terá que fazer obras de duplicação e manutenção da rodovia, além de implantar melhorias.

Dos 850,9 quilômetros, o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit) é responsável pela duplicação de 416,5 quilômetros, que inclui o trecho entre a Ferronorte, em Rondonópolis, até o chamado Posto Gil, ponto de referência, no município de Nobres. As obras do Dnit são com recursos do PAC, por meio do chamado Regime Diferenciado de Contratação, com alguns trechos licitados e outros já em obras, como exemplo, a serra de São Vicente e entre Rosário Oeste até o Posto Gil.

Já a Odebrecht é responsável pela duplicação de 434,4 quilômetros, nas extremidades do trecho licitado, da Ferronorte até a divisa com Mato Grosso do Sul, e do Posto Gil até Sinop. A empreiteira pode iniciar a cobrança de pedágio a partir da conclusão de, ao menos, 10% da duplicação (43,4 km) sob sua responsabilidade, o que está previsto para o 18º mês de concessão. O prazo para a conclusão de toda a duplicação é de cinco anos.

O valor da tarifa teve deságio de 52,03% em relação ao teto de R$ 0,055 por quilômetro fixado pelo governo. Segundo o presidente da Aprosoja e do Movimento Pró-Logística, Carlos Fávaro, essa queda no valor só foi possível porque o governo dividiu as obras a serem feitas com a empresa. “Como o governo já vem tratando da duplicação de alguns pontos mais complicados, e também, houve uma boa concorrência durante o leilão, o valor da tarifa ficou adequado.”

Valores – A praça de pedágio mais barata será a do município de Nova Mutum, com valor de R$ 2,00 por eixo, e a mais cara, de Sorriso, com R$ 3,60 por eixo. De acordo com as contas do Movimento Pró-Logística, a tarifa total para que um carro de passeio comum percorra todo o trecho concessionado será de R$ 22,45. Já para caminhões a conta leva em consideração uma média de oito eixos, entre caminhões de sete e nove eixos, os mais usados no estado. O resultado é uma tarifa de R$ 179,57 para o trecho completo. Um caminhão de 7 eixos pagaria R$ 157,15 e um caminhão com 9 eixos . R$ 202, 05 . Ao todo serão 9 praças de pedágio ao longo do trecho. Para um caminhão de sete eixos,  já considerando uma média de 40 toneladas líquidas por caminhão, o valor por tonelada fica em R$ 4,49.

 

Corredor BR-163 – Atravessando 19 municípios, a rodovia é de fundamental importância para o escoamento de grãos, por onde passam quase 70% do volume produzido no estado. Segundo avaliação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), 49% da pavimentação do trecho é considerada ruim, além disso, 26% do trecho não possui acostamento.

 

No Estadão: Melhora logística deve compensar pedágio

Em Mato Grosso, muitos produtores têm reservas em relação à cobrança do pedágio porque a tendência é que a tarifa se transforme em mais custo a ser descontado da saca de grãos. Assim, apesar de a tarifa de pedágio ter caído no leilão de concessão da BR-163, o valor foi considerado apenas "razoável" para Carlos Fávaro, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja/MT).

Leia a reportagem na íntegra no site Estadao.com: 

Tags:
Fonte:
Aprosoja MT

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário