Governo anuncia crédito de R$ 30 mil para caminhoneiro autônomo (REUTERS)

Publicado em 16/04/2019 11:44 e atualizado em 17/04/2019 03:48
1190 exibições
Dinheiro será disponibilizado para compra de pneus e manutenção

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou em entrevista coletiva nesta terça-feira que o BNDES vai abrir uma linha de crédito para caminhoneiros autônomos no valor de 30 mil reais para a compra de pneus e manutenção dos veículos.

Segundo o ministro, a linha vai ser inicialmente distribuída pelo Banco do Brasil e pela Caixa e posteriormente para todos os demais bancos e cooperativas de crédito para "permitir que o autônomo tenha acesso a esse importante instrumento".

Onyx afirmou que a linha de crédito do BNDES, na primeira liberação, terá 500 milhões de reais em recursos e será restrita a aqueles que tem até dois caminhões por CPF.

Governo anuncia R$ 500 milhões em linha de crédito para caminhoneiros (no R7)

Dinheiro será disponibilizado para compra de pneus e manutenção daqueles profissionais autônomos que possuam até dois veículos por CPF

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) disponibilizará R$ 500 milhões e abrirá uma linha de crédito especial para caminhoneiros autônomos. Os recursos deverão ser usados para aquisição de pneus e manutenção dos veículos.

O crédito faz parte de um pacote de medidas anunciadas hoje (16) pelo governo federal para atender o setor de transporte de cargas do país. “Nós temos que lidar com uma realidade que é a escolha que o Brasil fez há cinco décadas, do modal rodoviário, e que precisa ser enfrentada para garantir respeito e valorização do trabalhador e o abastecimento da população brasileira”, disse o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

De acordo com ele, a falta de manutenção de veículos é um dos principais problemas, identificados em blitz da Polícia Rodoviária Federal, que impacta na segurança das rodovias brasileiras. Manter as condições dos caminhões em ordem também tem um custo alto para os profissionais autônomos, segundo o ministro.

Para atingir especificamente os caminhoneiros autônomos, o credito será limitado àqueles que possuem no máximo dois caminhões registrados em seu nome. A linha de crédito deverá ser ofertada, inicialmente pelo Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Cada caminhoneiro terá direito a R$ 30 mil para comprar pneus e fazer a manutenção dos seus veículos.

A política de preço de combustíveis e as medidas para atender o setor de transporte de cargas, como o tabelamento do frete, foram tema de reunião ontem (16), no Palácio do Planalto, entre ministros de Estado, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco e o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Décio Oddone. O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, participou por meio de videoconferência.

Política de preços

A política de preços da Petrobras também é uma reivindicação dos caminhoneiros e será tema de uma nova reunião na tarde de hoje, desta vez com a presença do presidente Jair Bolsonaro. Pela manhã, o presidente se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com representantes de empresas do setor de combustíveis.

“Os ministérios e a Petrobras vão discutir esse tema. Agora, o governo sempre disse que a Petrobras tem autonomia e liberdade para exercitar aquilo que é necessário do ponto de vista de política de combustível", disse Onyx.

Na semana passada, a Petrobras havia anunciado um reajuste de 5,7% do no preço do óleo diesel nas refinarias, mas a medida foi suspensa a pedido do presidente Jair Bolsonaro. Bolsonaro disse que quer entender aspectos técnicos da decisão da Petrobras e negou que haja interferência do governo na política de preços da estatal.

O presidente disse que há preocupação com o reajuste dos combustíveis pelo impacto no setor de transporte de cargas, afetando diretamente os caminhoneiros. Em maio do ano passado, a alta no preço do combustível levou à paralisação da categoria, que afetou a distribuição de alimentos e outros insumos, causando prejuízos a diversos setores produtivos.

Ao deixar o Palácio do Planalto, ontem, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que a decisão de suspender o reajuste do óleo diesel foi empresarial e que o presidente da República apenas alertou que o aumento poderia desencadear insatisfação dos caminhoneiros.

Após a decisão de suspender o reajuste do diesel na sexta-feira (12), houve queda na bolsa de valores e desvalorização de 8,54% das ações da Petrobras. Apesar de negar que está intervindo nos preços, o mercado costuma reagir mal quando o governo interfere diretamente em uma estatal competitiva como a Petrobras.

Em março, a Petrobras já havia anunciado mudança na periodicidade do reajuste no preço do diesel nas refinarias. Segundo a estatal, os preços nas refinarias da companhia correspondem a cerca de 54% dos preços ao consumidor final e não será reajustado em prazos inferiores a 15 dias.

Governo destina R$ 2 bi para manutenção e pavimentação de rodovias

O governo federal vai recompor R$ 2 bilhões do orçamento do Ministério da Infraestrutura para a conclusão de obras de pavimentação e manutenção de rodovias. Os recursos extras fazem parte de um pacote de medidas anunciadas hoje (16), em Brasília, pelo governo para atender o setor de transporte de cargas.

Segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, eixos de integração, onde há grande movimento de transportadores, foram mapeados. Um deles é a BR 163, importante eixo de escoamento da produção de grãos até o porto de Miritituba, no Pará.

Os ministros da Secretaria-Geral, Floriano Peixoto, da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e do GSI, General Augusto Heleno, anunciam medidas para atender o setor de transporte de cargas do país.
Ministro Tarcísio Freitas anunciou medidas para atender o setor de transporte de cargas do país    (Antonio Cruz/Agência Brasil)

“Não podemos admitir que, na época de chuvas, ela [a rodovia] pare e forme 50 quilômetros de fila de caminhões em atoleiros. Vamos concluir a pavimentação e o governo está permitindo, com a medida, que não vai deixar faltar recurso”, disse.

As obras que terão recursos assegurados com a recomposição são: conclusão da BR-381/MG; conclusão da duplicação da BR-116/RS; entrega da Segunda Ponte do Guaíba/RS; conclusão da pavimentação da BR-163/PA; término da duplicação da BR-101/BA; construção de 8 pontes de concreto na BR-242/MT; e complementação de trecho da BR-135/MA.

Em reunião da Junta de Execução Orçamentária, ontem (15), o governo federal realocou o orçamento para o Ministério da Infraestrutura trabalhar na malha viária, além de destacar verbas para o Programa Minha Casa Minha Vida, do Ministério do Desenvolvimento Regional, e para o Projeto Acolhida, do Ministério da Defesa, que atende venezuelanos que pedem refúgio no Brasil.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, explicou que a recomposição desses recursos será possível com o corte de despesas.

“Vamos fazer um rateio com os outros ministérios, cada um vai dar sua cota de contribuição. Dentro das grandes dificuldades orçamentárias, vamos trabalhar como fazemos em casa, economizar ao máximo para garantir o mínimo indispensável”, disse.

Demandas dos caminhoneiros

Além dos recursos para manutenção e pavimentação de rodovias, o governo anunciou uma linha de crédito do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) para caminhoneiros autônomos visando a compra de pneus e manutenção de veículos.

De acordo com o ministro Tarcísio Freitas, as demandas estão sendo acolhidas em um fórum de diálogo com a categoria e procurando identificar com clareza as principais dificuldades, gargalos e fatores de limitação do setor de transporte de cargas. O principal objetivo do governo, segundo ele, é melhorar as condições de trabalho e renda dos caminhoneiros.

A lista de demandas do setor passa por questões como piso mínimo (tabelamento do frete), pontos de parada e descanso, transporte de cargas perigosas, fiscalização do piso, infrações, marco regulatório do transporte de cargas, renovação e manutenção da frota, aposentadoria, cooperativismo, condições das rodovias e segurança.

Freitas explica que o governo já desenvolve uma agenda de desburocratização de documentos e de estímulo ao cooperativismo e compra coletiva para dar benefícios de pessoa jurídica para os autônomos, além de garantir a oferta de emprego com a eliminação de intermediários entre embarcador e transportador.

O Ministério da Infraestrutura também vai alterar os contratos de concessão de rodovias federais para que as empresas instalem postos de parada e descanso para caminhoneiros. Segundo o ministro, nas novas modelagens de concessão, essas áreas de parada serão obrigatórias para que os trabalhadores tenham suporte de vida e segurança para dormir durante as viagens.

Frete e combustível

O ministro Tarcísio Freitas afirmou ainda que a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo, está trabalhando em um modelo de tabelamento de frete que, em breve, será colocado em consulta pública.

Ele disse que a Esalq possui a maior base de dados sobre transporte de cargas no Brasil e está trabalhando com referências para todos os tipos de cargas e levando em consideração os tipos de custos do frete no país.

“A referência será atualizada para que seja amplamente aceita pelo setor. E, se aceita, é aplicada”, disse Freitas, explicando que a fiscalização desse preço mínimo será intensificada.

Anunciada pela Petrobras em março, o ministro da Infraestrutura confirmou a criação do Cartão do Caminhoneiro, que vai permitir a compra de óleo diesel a preço fixo pelos trabalhadores autônomos na contratação do frete.

A medida só deve valer para os postos de combustível com a bandeira BR. Segundo a Petrobras, o cartão "servirá como uma opção de proteção da volatilidade de preços, garantindo assim a estabilidade durante a realização de viagens".

Tags:
Fonte: Reuters/R7/Agencia Brasil

1 comentário

  • dejair minotti jaboticabal - SP

    Dizem que um governo incompetente deixa saudade do outro... Analisando, penso que estamos com saudades da Dilma, visto que ambos os governos estão dizendo a mesma coisa, com colocações diferentes... No caso do diesel, o acionista majoritário (o Governo), que possui 43% das açoes, diz que não pode interferir na PeTrobrás... ora, privatiza tudo..., afinal, hoje não existe mais petroleira estatal, salvo a de Maduro e a do índio cocaleiro que o apedeuta deu para Bolívia..., esses são exemplos, é lógico, de administração bolivariana (a da Noruega funciona e sabemos porque).... Logo, privatização já... Estratégica seria minha economia caso não pagar a gasolina mais cara do mundo em relação ao soldo minimo. Shigeaki Ueki, o títere (boneco ventríloquo) do Geisel disse de certa vez: "reclamam do preço?, na Alemanha custa 3 vezes mais por litro".... Políticos e funcionários públicos continuam achando que todo brasileiro tem ouvido de latrina, principalmente os pagadores de impostos. Não esqueçam, dia trinta de Abril tem acerto com os gangsteres, com parcela de juro a 2% a.m, bem mais baixo que a poupança. Pobre Brasil e pagadores de impostos. Volta Maluf..., o Fujimore com tua idade esta cumprindo a sentença na cadeia no Peru, e você, na mansão dos Jardins.

    3
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Dejair, durante muito tempo foi proibido importar no Brasil,... o povo não podia pagar mais barato porque o governo tinha de proteger a indústria nacional, a geração de renda e emprego etc... Até hoje grupos financiam usinas de etanol de milho em cima dessa conversa mole... Não dá prá privatizar? O lobby dos funcionários públicos é muito forte? Abra o mercado para os importadores, só que o país não pode fazer isso pois 40% do PIB brasileiro não tem como pagar os funcionários e suas despesas. Antes de comparar o Bolsonaro com a Dilma assista ao método do PT, PDT, PSOL na camara e no senado, onde seus parlamentares parecem doentes mentais impedindo toda e qualquer discussão, usando a anarquia como método.

      5
    • DEJAIR MINOTTIJABOTICABAL - SP

      Boa sua colocação Rodrigo, como sou apolítico, coloco todos os políticos no mesmo nível, não existe ideologia partidária, o que existe é disputa do poder, para isto cada um tem sua sagacidade para iludir a massa ,que acredita que vai mudar. Eles estão certos, vai mudar daqui há 500 anos, é só uma questão de esperar... Sua colocação de 40% do PIB é relativa ... iniciativa privada precisa de não interferência no mercado por parte de governos incompetentes para se estabelecer.... Não existe interesse de privatização porque como acionista majoritário no caso da Petrobras, o governo tira do combustível mais caro do planeta para pagar o bolsa família, a educação e a saúde. Me engana que eu gosto... A diferença da dilma e do recruta zero está no meio das pernas, um usa calça e o outro saia. Obrigado pela seus esclarecimentos.

      3