Ampliação da capacidade dos portos reduziria o custo logístico

Publicado em 22/03/2011 11:38 606 exibições

Com o aumento da capacidade operacional dos portos da região do Arco Norte do País, os produtores rurais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste teriam seu custo logístico amplamente reduzido para levar sua produção de grãos a estes terminais portuários, pois teriam mais alternativas para escoar a safra. A avaliação é do vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e presidente da Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), José Ramos Torres de Melo Filho, que discutiu o tema durante encontro nesta segunda-feira (21/3) com o ministro titular do Mapa, Wagner Rossi.

Segundo Torres de Melo, esta é uma das prioridades da CNA e da Câmara Temática apresentadas ao ministro, com o objetivo de desafogar a demanda de carga que chega aos portos do Sul e Sudeste do País, por onde são exportados 83,5% do volume de soja e milho vendido para outros países. Embora respondam por 52% da produção dos dois grãos, as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que teriam o escoamento facilitado com o pleno funcionamento dos portos do Arco Norte, embarcam apenas 16,5% da safra destes produtos para o exterior. Desta forma, reforçou o vice-presidente da CNA, são necessários mais investimentos. “Viemos mostrar ao ministro que nossos problemas estão fora da porteira e ele apoiou a nossa causa, pois sabe da necessidade de se ter uma boa logística”, enfatizou. "Os investimentos nos portos vão estimular a melhoria das estradas e ferrovias", completou.

No encontro, também foram apresentados dados que mostram que os custos logísticos no Brasil são bem superiores a outros países. Levar a safra de grãos da fazenda até o porto no País pode custar, em média, até US$ 84 por tonelada. Nos Estados Unidos, este valor é de US$ 21. “Se tivéssemos os custos equivalentes aos dos Estados Unidos, o produtor rural poderia ganhar de R$ 5 a R$ 6 a mais por saco de soja”, disse o consultor de Logística e Infraestrutura da CNA, Luiz Antônio Fayet, que também participou da reunião. Ele também lembrou que no município de Sorriso (MT) há casos em que um produtor de soja em 2007 gastava, em média, 52% do valor de comercialização da saca para levar a produção até o porto de Paranaguá (PR).O exemplo citado pelo consultor da CNA reflete a falta de alternativas e a dificuldade para escoar a produção devido a falta de investimentos no corredor da região do Arco Norte, que abrange os portos de Itaqui (MA), Vila do Conde (PA), Santarém (PA), Porto Velho (RO) e Itacoatiara (AM), entre outros.

Tags:
Fonte:
CNA

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário