Brasil não precisa de dinheiro da Alemanha destinado à proteção da Amazônia, diz Bolsonaro

Publicado em 11/08/2019 18:00 e atualizado em 11/08/2019 18:55
4460 exibições
"Você acha que eles, os grandes países, estão interessados na imagem do Brasil? ou querem se apoderar do Brasil?"

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo que o Brasil não precisa do dinheiro que a Alemanha destina para preservação da Amazônia e acusou governos estrangeiros de quererem "se apoderar" do país.

"O Brasil não precisa disso", disse Bolsonaro a jornalistas ao ser questionado sobre notícias de que o governo alemão estaria suspendendo o repasse de 35 milhões de euros (cerca de 150 milhões de reais) ao Brasil para preservação da Amazônia devido ao que considera aumento do desmatamento na região.

Quando indagado se essa decisão alemã não prejudicava a imagem do Brasil, Bolsonaro acrescentou, em tom irritado:

- "Já dei a minha resposta, a imagem do Brasil, você acha que eles estão interessados, que os grandes países estão interessados na imagem do Brasil ou se apoderar do Brasil?"

Recentes dados sobre o desmatamento na Amazônia geraram forte polêmica e acabaram levando à demissão do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) Ricardo Galvão no dia 2 de agosto.

Pouco dias depois, novos dados do Inpe mostraram que o desmatamento na região aumentou 67 por cento nos primeiros sete meses do ano.

Bolsonaro diz que notícias inverídicas sobre meio ambiente prejudicam país no exterior

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira que notícias sobre o meio ambiente que, segundo ele, "não condizem com a verdade", prejudicam o trabalho do governo no exterior, especialmente ao fechar acordos internacionais.

Em entrevista coletiva para tratar dos dados sobre desmatamento da Amazônia divulgados recentemente pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ao lado dos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, o presidente disse que os números sobre perda florestal foram "espancados" com o objetivo de atingi-lo e a seu governo.

"Uma notícia como essa que não condiz com a verdade causa um estrago muito grande na imagem do Brasil. Tem gente interessada e que não é imprensa. O dado saiu lá de dentro, de órgãos nossos. Essa é a preocupação grande que nós temos", disse Bolsonaro.

"Os números, no meu entender, foram espancados com o objetivo, me parece, de atingir o nome do Brasil e do governo", acrescentou o presidente, ao referir-se à divulgação de um aumento de 88% no desmatamento na Amazônia em junho na comparação anual, de acordo com dados do Inpe. Bolsonaro disse ser estranho a divulgação desses dados no momento em que o Brasil começa a apresentar sinais de recuperação.

Bolsonaro diz que Amazônia pode ser "alma econômica" do Brasil

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender nesta quinta-feira o desenvolvimento econômico da Amazônia, afirmando que a região é a mais rica do planeta e pode se tornar a "alma econômica" para o crescimento do Brasil.

Bolsonaro tem defendido a exploração econômica da Amazônia desde a campanha presidencial:

"A nossa Amazônia, a região mais rica do planeta Terra, e, ao casar o desenvolvimento com a preservação ambiental, nós faremos, sim, mais do que o coração do Brasil, seremos a alma econômica do nosso Brasil", disse Bolsonaro ao discursar em cerimônia em Manaus para a entrega de certificados a alunos participantes da Olimpíada Internacional de Matemática.

"Aqui tem tudo para alavancar o Brasil ao local de destaque que ele tem e merece. Temos biodiversidade, temos riquezas e minerais, água potável, grandes espaços vazios, áreas turísticas inimagináveis. Temos tudo para alavancar nossa economia partindo aqui da região amazônica", acrescentou.

Dados divulgados pelo Inpe neste mês mostraram que o desmatamento na Amazônia disparou na primeira metade de julho e superou toda a taxa registrada no mesmo mês no ano passado. Os dados preliminares dos satélites mostram o desmatamento de mais de 1 mil quilômetros quadrados de floresta, 68% a mais do que o mês de julho de 2018.

A Amazônia abriga a maior floresta tropical do mundo, e cientistas consideram sua proteção essencial no combate à mudança climática. Ambientalistas dizem que o aumento do desmatamento no Brasil é resultado das políticas de Bolsonaro e de sua retórica a favor do desenvolvimento da região.

Dados "assustadores" sobre indústria da Alemanha em junho alimentam temores de recessão

Trabalhadores em fábrica na Alemanha
  • Por Michael Nienaber

BERLIM (Reuters) - A produção industrial da Alemanha caiu mais do que o esperado em junho devido à fraqueza em bens de capital e intermediários, em mais um sinal de que a maior economia da Europa contraiu no segundo trimestre.

A produção industrial recuou 1,5% em relação ao mês anterior, uma queda muito maior do que a de 0,4% prevista em pesquisa da Reuters com analistas, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira pela Agência de Estatísticas.

"A queda contínua na produção é assustadora", disse o economista do Bankhaus Lampe Alexander Krueger, acrescentando que uma recessão no setor industrial deve continuar devido à intensificação da disputa comercial entre China e Estados Unidos. Ambos os países são importantes destinos de exportação para os empresários alemães.

No segundo trimestre como um todo, a produção industrial caiu 1,8% sobre os três meses anteriores, devido a fortes perdas na produção de metais, maquinário e automóveis, disse o Ministério da Economia.

"O que fazer com as pessoas que moram na Amazônia? Esse é o debate", diz Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

"A mídia quer discutir desmatamento; nós queremos resolver a sobrevivência de 20 milhões de pessoas"

Podcast

O que fazer com as pessoas que moram na Amazônia? Esse é o debate, diz Ministro do Meio Ambiente

Download

LOGO nalogo

O foco do Ministério do Meio Ambiente é com a população que vive na Amazônia, tendo em vista que estimativas apontam que mais de 20 milhões de pessoas moram na floresta. E no entnder do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, a população que mora na Amazônia precisa ter dinamismo econômico. “Para isso é necessário que tenham a atividade reconhecida e formalizada, pois toda vez que finge que uma situação não está acontecendo tem um agravamento do problema”, ressalta.

Com relação às atividades ilegais, o Ministro destaca que é motivada pela a necessidade das pessoas terem alguma atividade econômica para sustentar a família. “São brasileiros que vivem nesta região e que precisam ter opções. Por isso, o estado tem que formalizar e fazer de forma efetiva a proteção do meio ambiente”, comenta Salles.

O Ministério pretende o realizar o Zoneamento Econômico e Ecológico (ZEE) para cada estado reconhecer as potencialidades de cada região. “Por tanto é preciso ter um sistema ágil que dê resposta aos pleitos de manejo florestal legalizado. Além disso, com o zoneamento é possível reconhecer áreas com potencial agrícola e essas áreas precisam obedecer ao código florestal”, afirma.

'Exploram petróleo no Ártico e caçam baleia', diz ministro sobre Noruega (ESTADÃO)

BRASÍLIA – O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, desqualificou as cobranças que a Noruega tem feito às mudanças no Fundo Amazônia, principal programa do País de combate ao desmatamento. Em audiência no Senado, Salles disse que a Noruega, que responde por 94% das doações de R$ 3,4 bilhões para o fundo, possui passivos ambientais.

ctv-bzp-salles Salles disse ainda que a exoneração de Ricardo Galvão do Inpe ocorreu porque o pesquisador teria divulgado informações midiáticas alarmistas Foto: REUTERS/Adriano Machado

“A Noruega é o país que explora petróleo no Ártico, eles caçam baleia. E colocam no Brasil essa carga toda, distorcendo a questão ambiental”, declarou o ministro ao comentar as negociações sobre o Fundo Amazônia.

No Estadão: Agronegócio pressiona contra retórica ambiental

O discurso adotado pelo governo Jair Bolsonaro de minimizar dados sobre aumento de desmatamento, de flexibilizar regras sobre áreas de preservação e os frequentes embates com outros países relacionados ao tema ambiental causam apreensão e têm sido classificados como prejudiciais pelo agronegócio. O incômodo se tornou explícito após publicações estrangeiras, como a revista britânica The Economist, criticarem a atual política ambiental do Brasil. 

A repercussão negativa, aliada a pressões do setor, levou a área de comunicação e o Itamaraty a prepararem uma campanha no exterior para tentar rebater narrativas que, na visão de integrantes do governo, podem afetar o País comercialmente. O agronegócio aponta risco de impacto negativo em acordos comerciais e, por tabela, na arrecadação com exportações. 

Leia a reportagem completa no site do Estadão

Veja também:

Denúncias de desmatamento causam prejuízo ao Brasil. A solução é usar imagens dos satélites para dar valor à produção agrícola, diz Marcello Brito, da ABAG

Aprosoja SP apresenta o agro sustentável ao Ministério da Agricultura da China

Ministro do Meio Ambiente defende reestruturação do Fundo Amazônia

Ida de Ricardo Salles à Câmara termina em bate-boca, por O Antagonista

Fonte: Reuters/Notícias Agrícolas

2 comentários

  • Carlos Norberto

    O BRASIL SÓ ESTÁ SENDO DESMATADO PORQUE TEM QUEM COMPRA MADEIRA EM DÓLAR, FRANCO, LIBRA, ETC,... ENTENDERAM???, FORA OS 760 K DE OURO QUE IAM PARA CANADA E E.E.U.U. ... E FORA O QUE A INGLATERRA COMPRA..., ENTÃO DIGAM PRA ONDE VAI O DINHEIRO ARRECADADO NA EXPLORAÇÃO DA AMAZÔNIA. NADA É DE GRAÇA!

    0
  • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

    Não só a Alemanha como outros países pelo mundo nos oferecem esmolas ... e essa esmola era dividida com a tropa da esquerda e as ONGs que diziam defender a Amazônia.... Bolsonaro já deu o recado o Brasil é dia Brasileiros e neste Mapa a Amazônia está dentro , portanto não se negam .

    Já está provado o Brasil é o País que mais preserva a natureza . O interesse destes países sempre foi dito mas não defendido pelos governantes anteriores " que é reduzir nosso poder produtivo " . Mas a história terá um novo capítulo daqui por diante . Bolsonaro vai por ordem neste recinto.

    Queiram as ONGs e os Vermelhos ou não.

    16
    • Rafael Antonio Tauffer Passo Fundo - RS

      Esses países (preocupados com a Amazônia) poderiam destinar esse dinheiro para o saneamento básico no Brasil, com certeza a natureza agradeceria.

      5
    • carlo meloni sao paulo - SP

      O melhor palpite que eu li sobre esse assunto e' que a Alemanha deveria usar esse dinheiro para plantar arvores nas terras deles--

      0