Brasil diz que 44 mil soldados estão disponíveis para combater incêndios florestais

Publicado em 24/08/2019 14:21 e atualizado em 25/08/2019 18:04
208 exibições

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil tem 44 mil soldados posicionados na região norte disponíveis para combater incêndios florestais na Amazônia e pode enviar mais militares de outros lugares do país, disse neste sábado o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).

A Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou duas aeronaves C-130 Hércules para apoio aos trabalhos de combate aos incêndios florestais. Os aviões que saem de Porto Velho (RO) já estão sobrevoando as áreas atingidas pelo fogo.

De acordo com a FAB, as aeronaves tem um equipamento composto por cinco tanques e dois tubos que se projetam pela porta traseira do avião, podendo carregar até 12 mil litros de água. 

Vídeo incorporado

@portalfab emprega, a partir de hoje (24/08), duas aeronaves C-130 Hércules no combate aos focos de incêndio na #Amazônia, partindo de Porto Velho (RO). 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que quatro dos nove Estados brasileiros na região amazônica solicitaram apoio: Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Após a coletiva, também o Acre pediu. O Mato Grosso também está preparando o pedido.

Neste sábado 50 funcionários foram enviados de Brasília para Porto Velho, no Estado de Rondônia, para apoiar as operações no país, incluindo 30 bombeiros e 18 especialistas em comunicação, disse Botelho em uma apresentação.

Ontem (23), o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto que autoriza o emprego das Forças Armadas para ajudar no combate aos incêndios na Floresta Amazônica. O decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) vale para áreas de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e outras áreas da Amazônia Legal. 

Segundo o ministro da Defesa, a adesão dos governos locais é importante para que o trabalho de combate a crimes ambientais e a incêndios não se limitem às áreas federais.

"É importante a adesão dos governos senão nós vamos ficar limitados às áreas federais, que são as unidades de conservação e as terras indígenas. Já é alguma coisa, mas não é o suficiente. Tem que ser uma união de todos. Todo mundo ajudando é melhor", disse o ministro. 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que os estados terão apoio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgãos que pertencem à pasta, para o combate aos incêndios. 

"Não é possível desenvolver atividades de fiscalização sem o apoio estadual. Com a GLO Ambiental tenho certeza que, com envolvimento do Ministério da Defesa, das Forças Armadas, teremos muita efetividade naquilo que já vínhamos tentando fazer com muita força desde o início do ano", afirmou. 

Segundo o Estado-Maior das Forças Armadas, que coordena as operações, as primeiras medidas foram tomadas neste sábado. Um helicóptero do Ibama e dois aviões de combate a incêndios serão enviados para Porto Velho. 

Um centro de operações instalado no ministério coordena as ações. 

Recursos

O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo,  fala à imprensa, após reunião com os integrantes do Centro de Operações

O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo, fala à imprensa, após reunião com os integrantes do Centro de Operações - Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, também disse que a pasta tem previsto no orçamento R$ 28 milhões para gastos com ações de GLO, mas o valor está contingenciado. No entanto, segundo ele, o descontingenciamento já foi acertado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante uma reunião. "Eu estou numa fase em que eu só acredito quando eu abrir o cofre e ver", afirmou. 

Presidente

O presidente Jair Bolsonaro comentou o trabalho do governo federal ao sair hoje (24) do Palácio do Alvorada a caminho de um almoço marcado com o vice-presidente, Hamilton Mourão, no Palácio do Jaburu.

“O que nós podemos fazer estamos fazendo. Se eu tivesse milhões de pessoas não conseguiria fazer prevenção. Pessoal faz queimada. É quase uma tradição da região”, afirmou Bolsonaro, destacando que, se for preciso, vai à Amazônia conferir de perto a situação.

Estados brasileiros pedem ajuda militar para combater incêndios na Amazônia

BRASÍLIA (Reuters) - Seis dos nove Estados brasileiros na região da Amazônia solicitaram ajuda militar neste sábado para combater incêndios florestais recordes que estão destruindo a floresta tropical e provocando protestos internacionais.

Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Acre e Mato Grosso pediram assistência militar oferecida pelo governo brasileiro, de acordo com uma porta-voz da Presidência. O presidente Jair Bolsonaro havia autorizado as forças armadas a intervir na sexta-feira, mas tal ajuda dependia do pedido dos Estados.

A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e sua proteção é vista como vital para o combate às mudanças climáticas, devido às vastas quantidades de dióxido de carbono que absorve.

O Brasil tem 44 mil soldados posicionados na região norte disponíveis para combater incêndios florestais na Amazônia e pode enviar mais militares de outros lugares do país, disse neste sábado o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).

Em uma coletiva de imprensa com os repórteres, o tenente-brigadeiro Raul Botelho e as principais autoridades do governo não disseram quantas tropas estariam envolvidas e deram poucos detalhes operacionais de como elas seriam usadas e onde.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, disse que as forças se concentrariam em certas áreas, dependendo da missão individual.

Por exemplo, em Porto Velho, no Estado de Rondônia, seriam disponibilizados dois aviões com capacidade para transportar 12 mil litros de água misturados com retardante de fogo, além de uma brigada de infantaria, forças de patrulha fluvial e o escritório local da unidade de monitoramento da Amazônia do Ministério da Defesa, disse.

Neste sábado, menos de 50 funcionários serão enviados de Brasília para Porto Velho, no Estado de Rondônia, para apoiar as operações no país, incluindo 30 bombeiros e 18 especialistas em comunicação, disse Botelho em uma apresentação.

Alfredo Sirkis, diretor executivo do Centro de Clima Brasil e fundador do Partido Verde, disse que, apesar de apoiar o envolvimento militar, duvidava que alguém fosse capaz de apagar os incêndios que já estão ocorrendo.

"Depois de um incêndio florestal enorme como esse, especialmente quando você não tem todo o tipo de equipamento de combate a incêndios florestais que você tem em lugares como EUA ou Portugal, é difícil extinguir", disse ele.

    "Eles só serão extintos por conta própria, dependendo das condições climáticas."

As forças armadas podem ajudar a impedir incêndios florestais adicionais, aplicando leis ambientais e impedindo as pessoas de colocar fogo, disse Sirkis.

    Sirkis culpou os incêndios por especuladores que buscam limpar a terra que esperam vender mais tarde para a agricultura, dizendo que foram encorajados pela forte retórica de Bolsonaro em favor do desenvolvimento da região amazônica.

Bolsonaro enfureceu os críticos na quarta-feira quando acusou organizações não-governamentais de incendiar a floresta amazônica para prejudicar seu governo. Mas na quinta-feira, ele admitiu pela primeira vez que os fazendeiros podem estar envolvidos nas queimadas na região.

Azevedo também disse que os Estados Unidos não estão dando ao Brasil apoio concreto para combater incêndios florestais, apesar da ampla oferta de assistência do presidente norte-americano, Donald Trump.

Não houve mais contatos entre os países em relação aos incêndios além da oferta de assistência de Trump feita em um telefonema ao presidente brasileiro Jair Bolsonaro, disse Azevedo a repórteres na coletiva de imprensa.

Bolsonaro diz que queimadas na Amazônia não justificam possíveis sanções internacionais

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira que autorizou o emprego de militares na região amazônica para aumentar a fiscalização e atuar no combate às queimadas na floresta, e defendeu que os incêndios não justificam possíveis sanções internacionais.

"Incêndios florestais existem em todo o mundo, e isso não pode servir de pretexto para possíveis sanções internacionais", disse Bolsonaro em curto pronunciamento em rede de rádio e TV.

Mais cedo, Bolsonaro assinou uma autorização preventiva de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que permite o emprego dos militares para o combate aos incêndios florestais nos Estados da Amazônia legal. Para entrar em vigor, ela depende que cada governador envolvido apresente um pedido de adesão.

"O emprego extensivo de pessoal e equipamentos das Forças Armadas, auxiliares e outras agências permitirão não apenas combater as atividades ilegais, como também conter o avanço de queimadas na região", disse o presidente.

Diante da forte reação internacional aos incêndios, Bolsonaro ressaltou que "a proteção da floresta é nosso dever".

"Estamos cientes disso e atuando para combater o desmatamento ilegal e quaisquer outras atividades criminosas que coloquem a nossa Amazônia em risco", afirmou ele no pronunciamento.

Bolsonaro ainda repetiu seu argumento de que para evitar atividade ilegais na região é preciso dar condições para que a população local possa se desenvolver.

"Para proteger a Amazônia, não bastam operações de fiscalização, comando e controle. É preciso dar oportunidade a toda essa população para que se desenvolva junto com o restante do país", defendeu.

Na quarta-feira, Bolsonaro disse que ONGs poderiam estar por trás dos incêndios, após a perda de recursos da Alemanha e da Noruega, que cancelaram o repasse de verbas para proteção na região devido à política ambiental do governo. No dia seguinte, ele insistiu em relação às ONGs, dizendo que poderiam estar tentando derrubá-lo.[nE6N22E04X] [nL2N25I0LY]

Após reação das ONGs envolvidas e de líderes de governos estrangeiros, como o presidente francês, Emmanuel Macron, Bolsonaro admitiu que poderia haver envolvimento de fazendeiros nas queimadas e reconheceu que elas eram prejudiciais ao país.

No pronunciamento, Bolsonaro reafirmou estar aberto ao diálogo, mas destacou que isso precisa se dar com respeito à soberania do país.

O presidente Jair Bolsonaro decidiu convocar cadeia nacional de rádio e televisão, para anunciar medidas do governo federal para conter incêndios na Floresta AmazônicaCarolina Antunes/PR

Bolsonaro diz que incêndios não podem gerar sanções ao Brasil (Ag. Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, na noite de ontem (23), para anunciar medidas de combate aos incêndios e ao desmatamento na Amazônia. Nesta sexta-feira, o governo autorizou a atuação das Forças Armadas na região, caso seja solicitada pelos governadores. Ele argumentou que incêndios florestais ocorrem em outras partes do mundo e não podem gerar sanções internacionais ao Brasil. 

"Incêndios florestais existem em todo o mundo. Isso não pode ser pretexto para possíveis sanções internacionais. O Brasil continuará sendo, como foi até hoje, um país amigo de todos e responsável pela proteção de sua Floresta Amazônica", afirmou.   

Bolsonaro disse que as queimadas das últimas semanas estão na média dos últimos 15 anos, mas que o governo não está satisfeito e vai atuar para conter os focos de incêndio. "Estamos em uma estação tradicionalmente quente, seca e de ventos fortes, e que todos os anos, infelizmente, ocorrem queimadas na região amazônica. Nos anos mais chuvosos, as queimadas são menos intensas. Em anos mais quentes, como neste, 2019, elas ocorrem com maior frequência. De todo modo, mesmo que as queimadas deste ano não estejam fora da média dos últimos 15 anos, não estamos satisfeitos com o que estamos assistindo. Vamos atuar fortemente para controlar os incêndios na Amazônia", disse o presidente. O pronunciamento durou pouco mais de 4 minutos.

Bolsonaro disse que seu governo tem compromisso no combate à criminalidade, inclusive na área ambiental, e destacou o apoio oferecido aos estados da Amazônia Legal. "Somos um governo com tolerância zero contra a criminalidade, e na área ambiental não será diferente. Por essa razão, oferecemos ajuda a todos os estados da Amazônia Legal. Com relação àqueles que a aceitarem, autorizarei operação de garantia da lei e da ordem, uma verdadeira GLO [Garantia de Lei e da Ordem] ambiental. O emprego extensivo de pessoal e equipamentos das Forças Armadas, auxiliares e outras agências, permitirá não apenas combater as atividades ilegais, como também conter o avanço de queimadas na região". 

O decreto de GLO, que autoriza o uso das Forças Armadas, vale para regiões de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e outras áreas da Amazônia Legal.  Os governadores de Roraima e Rondônia foram os primeiros a solicitar ação dos militares federais em seus territórios. 

Preservação

No pronunciamento, Bolsonaro disse ainda que o problema precisa ser tratado com "serenidade" e voltou a criticar manifestações dentro e fora do Brasil que, segundo ele, espalharam informações infundadas. "Espalhar dados e mensagens infundadas, dentro e fora do Brasil, não contribui para resolver o problema e se prestam apenas ao uso político e à desinformação". 

"O Brasil é exemplo de sustentabilidade. Conserva mais de 60% de sua vegetação nativa, possui uma lei ambiental moderna, um Código Florestal que deveria servir de modelo para o mundo. Temos uma matriz energética limpa, renovável e com ela estamos dando grande contribuição ao planeta. Diversos países desenvolvidos, por outro lado, ainda não conseguiram avançar com seus compromissos no âmbito do Acordo de Paris", acrescentou o presidente. 

Bolsonaro concluiu sua fala dizendo-se aberto ao diálogo, "com base no respeito, na verdade, e cientes da nossa soberania". Ele disse ainda que outros países ofereceram ajuda ao Brasil para combater as queimadas e que vão reforçar a posição brasileira na reunião do G7, marcada para este final de semana, na França, e que deve discutir os incêndios florestais na Amazônia, entre outros temas. O G7 é formado por EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Canadá e Japão.

Fonte: Reuters/Agencia Brasil

0 comentário