Código Florestal: Bancada Ruralista não consegue votar urgência

Publicado em 08/12/2010 18:05 e atualizado em 08/12/2010 23:35 1229 exibições
A votação da alteração do Código Florestal - relatório Aldo Rebelo -  não deve mais ocorrer no mandato do presidente Lula. Com quórum baixo nesta tarde de quarta-feira, a Câmara ainda não conseguiu avançar na apreciação do projeto. Outra sessão extra teve início na noite de ontem, mas a lista de projetos já indicados para apreciação era grande. Envolvia, por exemplo, a possibilidade de reabertura dos bingos, o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza e alterações na Lei Kandir. 

Mas o que colocou a pá-de-cal na possibilidade da votação de urgência foi a mudança de posição do líder do PT, Cândido Vaccarezza, que, apesar de dar seu apoio para a votação de urgência e dizer que o relatório de mudança do Código Florestal também era de interesse do Governo, na última hora mudou de posição,e com ele houve mudança de comprometimento de vários parlamentares.

Vaccareza sugeriu como compensação a possibilidade de a urgencai ser votada na próxima sessão legislativa, de quarta-feira que vem, ultimo dia de votação em plenário. Mas mesmo que a urgencia seja aprovada o relatório Aldo Rebelo somente seria colocado a voto no próximo ano, com a Câmara tendo outra composição. Foi a derrota final das pretensões da bancada da agricultura.

O deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS) salientou que seria preciso um total de 247 votos favoráveis ao novo Código Florestal. "Para isso, teríamos de contar com mais de 400 parlamentares na Casa, mas temos pouca gente e não dá para colocar uma matéria polêmica como esta sem um quórum qualificado", observou.

Porém, o deputado gaúcho não desiste. Disse que trabalhará para a votação do Código Florestal e, se não obtiver sucesso, retomará com o tema na terça-feira da semana que vem. Por mais que as palavras escolhidas fossem de otimismo, o tom da voz de Heinze era de desânimo enquanto conversava com a reportagem.

Nos corredores do Congresso, a avaliação dos deputados que representam o campo é a de que o tema ficou mesmo para 2011. A maioria, no entanto, não dá a batalha como oficialmente perdida.
O relatório do novo documento foi elaborado pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) e aprovado em julho pela Comissão Especial do Código Florestal. Segundo o parlamentar, a pressa da votação pelo Congresso explica-se porque o documento altera a legislação ambiental atual, que, segundo ele, impõe ilegalidade a cerca de 90% das propriedades agrícolas. 

Os deputados ambientalistas comemoraram o enfraquecimento da bancada ruralista nesta questão. 

Fonte:
Redação NA +O Estado de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

5 comentários

  • Lindalvo José Teixeira Marialva - PR

    A questão é simples, força politica! O campo só vai ter essa força o dia que estiver unido, enquanto cada um fica de olho na propriedade do outro, vamos levar f........... e trabalharmos em troca de migalhas subsidiadas. Os pelegos estão por todo lado, principalmente em hora de eleição. Vamos cercar o estado do Amazonas e resolver as questões do sul, sudeste, nordeste e centro oeste, lá pode ficar tudo no mato, agora vamos resolver o restante e parar com essa vegonha nacional.

    0
  • Antonio José de Mattos Barbosa Ferraz - PR

    É obvio o posionamento governamental se não nos mobilizarmos( caravanas+ caravanas e acampamentos) com urgencia e atuarmos em Brasilia com o poder que a classe o tem, só nos sobrará o VIGOR da LEI e impostos. Será que a Argentina nos dirá : Eu sou voce amanhã !! Haja tanto uisque, importado é claro!

    0
  • Almir José Rebelo de Oliveira Tupanciretã - RS

    Está vendo Telmo? A Ministra que ninguém sabe de onde saiu, mais a outra que todo mundo sabe que é contra nós, mais o outro exótico, se juntaram em Cancun e não deixaram a " Bancada Ruralista" votar o requerimento de urgência para votar o Código Florestal. É Assustador o despreparo dos deputados e partidos sobre a falta de visão política da importância da Agricultura para a sustentabilidade econômica, ambiental e social do país. O produtor rural está bancando tudo isso e apenas 3 pessoas que nunca fizeram nada prático pelo ambiente brasileiro, mandam no governo e no Congresso Nacional. Estou avisando: Teremos muito trabalho no Congresso nacional para desmanchar esse circo. Somente nossa mobilização de todos os produtores brasileiros e principalmente os pequenos produtores poderemos salvar nosso País. Este é o desafio! estou acompanhando a COP 16 e já planejando para Fevereiro de 2011 um Evento em Tupanciretã para desencadear um Movimento Nacional para salvar nossas propriedades e nosso País aprovando o Novo Código Florestal. Nossa vitória depende somente de uma condição: Nossa Mobilização Nacional! Nós já enfrentamos isso na liberação dos Transgênicos contra os mesmos. Vamos nos preparar. Contamos com todos vocês colegas produtores brasileiros. O Jogo está montado e as cartas estão dadas. Mas não vamos recuar de jeito nenhum! Abraços.

    Almir Rebelo

    0
  • Tiago Gomes Goiânia - GO

    O que mais me chama atenção são os nossos "representantes" da bancada ruralista. Dizem que são muitos, mas na hora de votar cadê eles? Preferem votar para acompanhar a base? Penso que não deveríamos reclamar e reclamar dos ambientalistas, pois afinal eles apenas estão defendendo a posição deles, assim como nós defendendo a nossa. Mas sim desses descomprometidos que dizem que defendem o meio rural.

    Na boa seria interessante que os verdadeiros ruralistas passassem a limpo quem realmente estão do nosso lado.

    0
  • Lino Gaspar Rocha Aguiar Rio Paranaíba - MG

    Se a bancada ruralista estivesse realmente ao lado do produtor, se fosse Patriota, como o deputado Aldo Rebelo, teria votado o Código Florestal.

    O que me assusta não a atitude dos maus ( ongs e ambientalistas corruptos), mas a omissão dos bons ( as pessoas conscientes e omissas).

    0