Milho safrinha requer cuidados para evitar gastos desnecessários

Publicado em 30/04/2012 14:40 1006 exibições
Expectativa em torno dessa colheita aumentou com a quebra na safra de soja.
O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) alerta para a necessidade de cuidados básicos com a lavoura do milho safrinha, principalmente o monitoramento de pragas e doenças. A expectativa em torno dessa colheita aumentou com a quebra na safra de soja.

Segundo o pesquisador Antônio Gerage, o fato de a maior parte do milho plantado no Paraná ser transgênico não assegura a imunidade a todas as pragas.

– O milho geneticamente modificado é resistente apenas a algumas delas, como a lagarta do cartuxo, a broca da cana e a lagarta da espiga – afirma.

Gerage explica que muitas pragas que até recentemente eram secundárias estão ganhando força, como o pulgão, percevejo e até o ácaro.

– Daí a necessidade de monitorar a lavoura para saber o momento certo de aplicar agrotóxico – salienta.

De acordo com dados da Secretaria de Agricultura do Paraná, 75% das lavouras no Estado estão em boas condições.

– Boa parte, 63%, está na fase de desenvolvimento vegetativo, quando aparecem as principais pragas e doenças. Depois que a planta atingiu certa altura, fica difícil entrar com máquina e fazer aplicação de agrotóxico – reforça Gerage.

A melhor alternativa, diz ele, é monitorar, também para evitar doenças como a pinta branca, a mancha de cercóspora e a ferrugem. Ele lembra que existem híbridos com resistência a doenças. Mesmo assim, o monitoramento é indispensável.

O pesquisador Pedro Shioga alerta sobre custos elevados com agroquímicos.

– Milho safrinha é cultura de risco, tendo em vista diversos fatores, como geada e falta de chuva – afirmou.

Ele explica que abril foi excelente para o safrinha, com chuva, temperatura e umidade na medida certa, mas a colheita ainda vai levar uns meses e, nesse intervalo, a situação pode mudar. Segundo o Simepar, a partir de maio o risco de geadas atinge todas as regiões paranaenses.
Tags:
Fonte:
Governo do Estado do PR

0 comentário