DDG pode ajudar estruturação de matriz de etanol de milho

Publicado em 03/10/2013 08:42
501 exibições

As discussões sobre a produção de etanol a partir do milho ganharam força em Mato Grosso diante do cenário de superoferta do grão. Espera-se que em junho de 2014, o estoque final não vendido no Estado seja de 4 milhões de toneladas e que o volume estocado para o mesmo período chegue a 6,3 milhões de toneladas, segundo dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). 

Para tornar a produção viável, outros subprodutos provenientes do grão são elencados como possíveis estruturadores da cadeia produtiva, entre eles estão o DDG, sigla em inglês para grãos secos por destilação, usado na alimentação animal, o óleo e o xarope de milho. Os subprodutos tornariam possível a formação de uma matriz mais complexa e menos vulnerável às oscilações de mercado e riscos de investimento. 

Leia a íntegra no Diário do Cuiabá

Tags:
Fonte: Diário do Cuiabá

0 comentário