Milho: Com foco nos fundamentos, mercado volta a subir em Chicago

Publicado em 11/03/2014 09:10 e atualizado em 11/03/2014 14:09 679 exibições

Nesta terça-feira (11), os futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) operam em alta, depois das perdas registradas no início do pregão. Os principais vencimentos da commodity, por volta das 13h49 (horário de Brasília), registravam ganhos entre 3,25 e 6,25 pontos. O vencimento maio/14 era negociado a US$ 4,82 por bushel.

Após os números do relatório de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgado nesta segunda-feira, o mercado voltou a focar os fundamentos e trabalhar do lado azul da tabela. Segundo o consultor de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, a crise na Ucrânia, terceiro maior exportador do cereal no mundo, ainda permanece sendo um fator de suporte aos preços futuros em Chicago. 

Frente às incertezas no país, a perspectiva é que os compradores optem em adquirir o produto norte-americano. Além disso, há a perspectiva de redução na área cultivada com o grão na próxima safra 2014/15 nos Estados Unidos. "Diante desse cenário, as cotações tem fôlego para voltar ao patamar de US$ 5,00 por bushel, assim como vimos na última semana", destaca Brandalizze.

Por outro lado, outras importantes origens também apresentam algumas dificuldades. No caso da Argentina, os produtores ainda esperam preços melhores para negociar a sua produção. Enquanto isso, no Brasil, as adversidades climáticas continuam em algumas regiões produtoras e atrasam o plantio da safrinha. 

Somente no Mato Grosso, até o início de março cerca de 30% da área de milho ainda precisava ser cultivada, conforme informou o gerente de Oleaginosas e Produção Pecuária da Conab (Companhia Nacional do Abastecimento), Thomé Guth. Em outros estados importantes, a semeadura da segunda safra também será feita fora da janela ideal de plantio, situação que aumenta os riscos de redução na produtividade das lavouras. 

Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário