Milho: Pepro negocia 93,63% e maior disputa acontece no Nordeste de MT

Publicado em 28/08/2014 18:42 e atualizado em 29/08/2014 16:29 910 exibições

O segundo leilão de Pepro (Prêmio Equalizador Pago ao Produtor), realizado nesta quinta-feira (28) pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), negociou 93,63% das 1,75 milhão de toneladas ofertadas. A região 4, Nordeste de Mato Grosso, registrou maior disputa pelo prêmio e o valor caiu de R$ 2,73 a saca, para R$ 1,47. A localidade negociou as 100 mil toneladas ofertadas.

Do mesmo modo, na região 1, Norte do MT, o prêmio também recuou frente à disputa, de R$ 3,54 para R$ 2,76 a saca. E 100% do lote foi negociado, equivalente a 500 mil toneladas ofertadas. No Centro-Norte, as 550 mil toneladas ofertadas foram comercializadas, sem deságio, com prêmio ficou em R$ 2,79 a saca.

Em contrapartida, na região Centro Sul, com a disputa os produtores conseguiram subsídio de R$ 2,15 a saca, prêmio abaixo do valor de abertura, de R$ 2,40. Na localidade, as 250 mil toneladas ofertadas foram negociadas. Já, na região Sudeste, o menor prêmio, de R$ 0,60, afastou os compradores e, apenas 35 mil toneladas das 50 mil toneladas ofertadas foram comercializadas.

Para o Norte de Mato Grosso do Sul, cerca de 20%, o equivalente a 15 mil toneladas de um total de 75 mil toneladas ofertadas foram negociadas. O prêmio foi mantido em R$ 1,83 a saca. O mesmo aconteceu em Goiás, onde as 75 mil toneladas ofertadas foram arrematadas pelo valor inicial, de R$ 1,21 a saca.

Para o Oeste da Bahia, houve demanda para 14,4 mil toneladas, ou 28,8%, do total ofertado de 50 mil toneladas, sem deságio no prêmio, de R$ 1,59 a saca. Nas regiões Sul do Maranhão e Piauí, com a disputa, o valor de abertura de R$ 1,59 para ambas as localidades, baixaram para R$ 1,48 e R$ 1,56 a saca, respectivamente. Nas duas regiões 100% do volume ofertado, de 50 mil toneladas, foi comercializado.

As operações foram retomadas após problemas técnicos registrados na Conab no início desta quinta-feira. 

Clique aqui e veja como terminou o primeiro leilão de Pepro

Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário