Área de milho verão deve crescer 10% no Brasil, afirma consultor

Publicado em 28/09/2016 15:47 e atualizado em 28/09/2016 16:23
1073 exibições

Diante dos preços recordes registrados no primeiro semestre de 2016 e dos valores ainda remuneradores, os produtores rurais voltaram a investir na cultura do milho na safra de verão. Com isso, a área destinada ao plantio do cereal na temporada 2016/17 poderá registrar um incremento de até 10% no Brasil, conforme pondera o consultor de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze. E, caso o clima seja favorável, a produção poderá totalizar 30 milhões de toneladas.

O avanço do milho deverá ser registrado na região Centro-Sul do país e, principalmente em áreas antes ocupadas com a soja devido à competividade do cereal frente à oleaginosa nesse momento, segundo explicam os analistas. Cenário inverso do observado ao longo das últimas safras, já que a desvalorização nos preços do milho e a liquidez no mercado da soja fizeram com muitos produtores decidissem pela oleaginosa na safra de verão.

Somente no ciclo 2015/16, a área plantada com o cereal ficou ao redor de 5.387,7 milhões de hectares, de acordo com os números oficiais da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). O que resultou em uma produção de 25.853,6 milhões de toneladas.

Em Minas Gerais, o aumento na área cultivada com o cereal deve chegar a 15%, totalizando 1,07 milhão de hectares, segundo levantamento da Céleres Consultoria. “Deveremos acompanhar esse crescimento especialmente na região do Triângulo Mineiro. E a expectativa é de uma safra próxima de 7 milhões de toneladas, um aumento de 20% em relação ao ciclo anterior. Além da área, também deveremos observar certa recuperação na produtividade das plantações”, diz o analista de mercado da Céleres Consultoria, Enilson Nogueira.

Os produtores mineiros ainda não iniciaram a semeadura do cereal, uma vez que, ainda aguardam a consolidação das chuvas. “Normalmente, esses trabalhos nos campos ganham ritmo a partir do mês de outubro no estado”, completa o analista.

Outro destaque na safra de verão é o Rio Grande do Sul e a expectativa é que haja um incremento de 10% na área plantada com o grão. Assim, os produtores deverão semear 900 mil hectares com o cereal. Segundo o presidente da Apromilho (Associação dos Produtores de Milho), Claudio de Jesus, alguns fatores como o preço da saca do cereal, próximo de R$ 45,00 no balcão, o potencial de exportação do país tanto para o grão quanto para o setor de aves e suínos e a recuperação dos solos, que sofreram com erosões no último ano, estimularam o investimento na cultura na safra de verão.

E, segundo último boletim informativo da Emater/RS, os produtores aproveitaram as condições meteorológicas favoráveis para acelerar a implantação da cultura. Até o momento, pouco mais de 46% da safra já foi cultivada no estado. “As lavouras implantadas apresentam bom stand inicial de plantas e baixa incidência de pragas”, informou a entidade em nota.

Lavoura de milho em Chapada (RS). Enviado pelo Engenheiro Agrônomo Vagner Perondi

Lavoura de milho em Chapada (RS). Enviado pelo Engenheiro Agrônomo Vagner Perondi

Lavoura de milho em Santo Antônio das Missões (RS). Enviado por Wilson G Junior

Lavoura de milho em Santo Antônio das Missões (RS). Enviado por Wilson G Junior

No Paraná, o cenário é semelhante, uma vez que, o clima também tem contribuído para o avanço do plantio do grão. Conforme dados reportados pelo Deral (Departamento de Economia Rural), cerca de 34% da área estimada para essa temporada já foi semeada. Já a área plantada deverá registrar um aumento de 70 mil hectares, somando 485 mil hectares nesta safra, de acordo com o analista de milho do departamento, Edmar Gervásio.

“Para essa safra, a perspectiva é de uma produção próxima de 4,2 milhões de toneladas de milho. Os preços atrativos estimularam o retorno do investimento na cultura na primeira safra. Em 2008, o estado cultivava 1,4 milhão de hectares com o cereal na 1ª safra e nos anos seguintes houve um recuo expressivo na área. O grão acabou ganhando mais espaço na segunda safra”, explica o analista do Deral.

Emergência da lavoura de milho em Palmas (PR)

Emergência da lavoura de milho em Palmas (PR)

Lavoura de milho em Santa Helena (PR), na Fazenda Americana. Enviado por Leonildo Cenedese

Lavoura de milho em Santa Helena (PR), na Fazenda Americana. Enviado por Leonildo Cenedese

No caso de Santa Catarina, o aumento na área deverá ficar próximo de 2% nesta temporada. A projeção é que sejam cultivados 300 mil hectares com o milho na safra de verão, contra os 280 mil hectares semeados no ciclo anterior. A produtividade das lavouras também deve ser maior nesta safra, com isso, a produção de milho deverá totalizar 3 milhões de toneladas.

Além das cotações mais altas, o vice-presidente da Faesc (Federação de Agricultura e Pecuária de Santa Catarina), Enori Barbieri, destaca que, a parceria realizada com o Governo do Estado incentivou a venda antecipada de milho e contribuiu para o retorno dos investimentos na cultura. “Voltamos a investir no cereal depois de 15 anos. E, em média, a redução na área era de 8% por safra. Os produtores tiveram a oportunidade de realizar negócios antecipados, com valores entre R$ 35,00 a R$ 40,00 a saca”, destaca.

Porém, o plantio do cereal já registra um atraso de 30 dias no estado em decorrência das recentes geadas. Tradicionalmente, o plantio do grão tem início entre 15 a 20 de agosto e o término ocorre em meados de outubro. “Os agricultores esperam o término do período de geadas, previsto para o final do mês de setembro, para darem continuidade aos trabalhos nos campos”, completa Barbieri.

Já em Goiás, o aumento na área deverá ficar entre 7% até 10% nesta safra. Dessa forma, a área total plantada com o milho poderá ficar próxima de 250 mil hectares, de acordo com o assessor técnico da Faeg (Federação de Agricultura e Pecuária de Goiás), Pedro Arantes. “Os preços interessantes motivaram os produtores rurais, mas o solo ainda está muito seco. Precisamos de chuvas entre 80 mm a 100 mm para reverter esse quadro”, sinaliza. A perspectiva é que os trabalhos nos campos ganhem ritmo em meados de outubro no estado.

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Rafael Antonio Tauffer Passo Fundo - RS

    Não sei em outros estados, mas DUVIDO que vai aumentar área no Rio Grande do Sul. ..

    0
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      se plantarem soja em setembro da para fazer a dobradinha do milho e deixar o trigo para os mais tontos.

      0
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Vai aumentar aí no RS ..em Aratiba..Itatiba..Gaorama....palmitinho...barra do Guarita....Rondinha...Mato Castelhano..e isto nada representa...e tem o atraso da soja por falta de chuvas que vai impactar na safrinha...

      0