Trump e avanço do plantio americano pressionam cotações do milho em Chicago nesta 2ª-feira

Publicado em 06/05/2019 17:09 e atualizado em 07/05/2019 09:28
859 exibições

LOGO nalogo

A segunda-feira (06) chega ao final com grandes quedas para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram desvalorizações entre 5,50 e 7,25 pontos negativos.

O vencimento maio/19 foi cotado à US$ 3,55, o julho/19 valeu US$ 3,64 e o setembro/19 foi negociado por US$ 3,71.

As informações da Agência Reuters dão conta de que os futuros de milho em julho caíram abaixo das médias móveis de 10 dias, 20 dias e 30 dias.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, a incerteza sobre as negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China e a expectativas de que o progresso do plantio da primavera americana esteja finalmente ganhando algum impulso foram as responsáveis por manter as cotações do milho em baixa.

“Os preços do milho tiveram uma certa repercussão da soja na segunda-feira e estão lutando contra ventos contrários de um aumento no progresso do plantio”, pontua Potter.

De acordo com o levantamento Feedback From The Feed, os agricultores americanos plantaram em média, na semana passada, 13% a mais de sua safra de milho, e 3% a mais de soja. Se esses ganhos aparecerem no relatório de progresso de safra do USDA, o plantio de milho em todo o país pode avançar para 28%, em comparação com a taxa média para esta semana de 47%.

“Antes do relatório de progresso da colheita do USDA, um grupo de analistas espera que a agência relate o progresso do plantio de milho em 25%, acima dos 15% da semana passada”, aponta Potter.

No último domingo, Trump disse que as tarifas de US $ 200 bilhões em bens chineses aumentariam de 10% para 25% na sexta-feira, com novas penalidades também impostas, porque a China estava arrastando seus pés nas negociações. As conversações foram marcadas para retomar esta semana em Washington depois do que parecia ser um progresso quando os dois lados se encontraram em Pequim na semana passada. Trump reafirmou sua posição nesta manhã em novos comentários no Twitter.

Mercado Interno

Já no mercado interno, os preços do milho disponível permaneceram sem movimentações em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as desvalorizações apareceram somente nas praças de Palma Sola/SC (1,72% e preço de R$ 28,50), Dourados/MS (1,89% e preço de R$ 26,00), Porto Paranaguá/PR (3,23% e preço de R$ 30,00) e Rondonópolis/MT (8% e preço de R$ 23,00).

Não foram percebidas valorizações nessa segunda-feira.

A XP Investimentos destaca que o mercado físico de milho, pela 5ª semana consecutiva, opera em baixa. A amostra da XP Investimentos tem média em R$ 32,88/sc, queda de R$ 0,40/sc no dia.

“O cenário externo que já era baixista por conta dos estoques elevados, superproduções e baixa demanda para rações, ficou ainda mais pressionado com as declarações do presidente Donald Trump. Localmente, a pressão é reforçada pelos estoques são robustos e pela desova de milho tributado, originário do Centro-Oeste e de Minas Gerais”, dizem os analistas.

Nos campos brasileiros, o bom volume de chuvas conduz um desenvolvimento das lavouras de inverno animador e os números finais de safra devem ficar próximos aos maiores da história.

Confira como ficaram as cotações nessa segunda-feira:

>> MILHO

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário