Previsão de clima seco nos EUA sustenta leves altas para o milho em Chicago

Publicado em 07/05/2019 12:12 e atualizado em 07/05/2019 17:08
380 exibições

LOGO nalogo

A Bolsa de Chicago (CBOT) segue apresentando leves altas para os preços internacionais do milho futuro ao longo desta terça-feira (07). As principais cotações registravam valorizações entre 0,50 e 1,50 pontos por volta das 11h59 (horário de Brasília).

O vencimento maio/19 era cotado à US$ 3,57, o julho/19 valia US$ 3,66 e o setembro/19 era negociado por US$ 3,73.

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, o progresso lento do plantio americano é compensado pela previsão mais seca, com os agricultores correndo para plantar 85% nas próximas duas semanas.

O progresso do plantio de milho ganhou apenas 8% na semana passada, indo para 23%, metade da média dos últimos cinco anos, com o plantio atrás do normal em todos os 18 estados incluídos na pesquisa. Illinois continua sendo o mais atrasado, com apenas 10% plantados, 56% atrás da média de cinco anos.

“Embora a maior parte do Cinturão do Milho possa ter mais chuva na próxima semana, depois disso as condições secam acentuadamente, com pouca umidade à vista até o final do período de duas semanas. As previsões oficiais de 6 a 10 e de 8 a 14 dias indicam precipitação abaixo do normal”, diz Knorr.

O analista Tony Dreibus da Successful Farming, aponta que as influencias contraditórias para o clima e plantio, e para as negociações de um acordo comercial entre China e Estados Unidos, são as responsáveis por manter o mercado estável nesse momento.

B3

Já a bolsa brasileira não segue essa tendência e apresenta leves quedas nesta terça-feira, com as principais cotações operando com desvalorizações entre 0,03% e 0,38% por volta das 11h43 (horário de Brasília).

O vencimento maio/19 era cotado à R$ 31,68, o julho/19 valia R$ 30,98 e o setembro/19 era negociado por R$ 31,67.

Para a Agrifatto Consultoria, as cotações trabalham em campo negativo, mas as quedas são mais comedidas nesta terça-feira. “Vale destacar a diferença estreita no início do pregão, de apenas R$ 0,11/sc entre os contratos com vencimentos para maio e set/19”, apontam os analistas.

Com baixa alteração na conjuntura, há predomínio de mercado lento e cotações regionalizadas no balcão pelo interior do país.

As referências no Triângulo Mineiro seguem ao redor de R$ 30,00/sc desde a última semana, patamar muito próximo as indicações em Rio Verde – GO, em R$ 29,50/sc. Já em Dourados – MS, as referências foram ajustadas para baixo pela maior disponibilidade do cereal, caindo 3,3% na comparação semanal para R$ 24,50/sc.

Por outro lado, a menor oferta disponível no MT pressionou para cima o indicador do Imea, subindo 2,24% na semana com fechamento em R$ 23,26/sc. Além disso, valorização do câmbio reajustou em +2,8% o valor da paridade, subindo a R$ 19,12/sc.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário