Milho sobe em Chicago por conta de possíveis inundações no Corn Belt

Publicado em 17/03/2010 10:02 e atualizado em 17/03/2010 16:09 1703 exibições
O preço do milho subiu pelo segundo dia em Chicago sob a preocupação de um possível atraso no plantio dos Estados Unidos causado por inundações. O milho para maio subiu 0,4% sendo negociado a US$3,6825 por bushel em Chicago. Ontem, os preços chegaram a alcançar os US$3,69.

Um terço dos Estados Unidos - o maior produtor e exportador de milho do mundo - vê uma possível “inundação histórica”, segundo uma previsão de ontem do governo. Isso inclui o meio oeste dos estados de Dakota do Norte, Dakota do Sul, Minnesota e Iowa. Os mesmos correspondem por, aproximadamente, 34% da produção de milho dos Estados Unidos, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). 

Na cidade de Fargo, na Dakota do Norte, os moradores enfrentam o segundo ano seguido de inundações recordes. Minnesota, o estado vizinho, respondeu por 11% da produção de milho dos Estados Unidos no ano passado, de acordo com informações do USDA. 

 “Há preocupações contínuas sobre possíveis inundações em algumas áreas do Cinturão do Milho. Uma boa parte do trabalho de campo da temporada passada não foi concluído em muitas áreas devido ao atraso na colheita e a neve que chegou mais cedo, então, uma pequena preocupação com um possível atraso no plantio do milho é compreenssível”, disse o economista Dennis Gartman. 

Safra de Iowa
O estado de Iowa produz uma media de 56 milhões de toneladas de milho por ano, mais do que qualquer outro país, até mesmo a China, diz Kevin Rempp, diretor da Bolsa de Promoção de Milho de Iowa. 

 “Há algum suporte ali” para os preços dos grãos, afirmou Michael Pitts, vendedor de commodities do Banco Nacional da Austrália. As chuvas excessivas podem contribuir para a umidade do solo, melhorando a produtividade, reduzindo as inundações antes do plantio.

Tradução: Carla Mendes

Tags:
Fonte:
Bloomberg

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário