Milho: Leilão não beneficia produtor, diz coordenador do Centro Grãos/Famato

Publicado em 17/06/2010 17:55 1158 exibições

O volume de 911 mil toneladas de milho comercializado nesta quinta-feira (17) por meio dos leilões de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) e de Pepro, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), não traz benefícios diretos ao produtor rural matogrossense, é o que informa o coordenador do Centro de Comercialização de Grãos (CentroGrãos) da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), João Birkhan.<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Os leilões estão atendendo efetivamente as tradings, que segundo Birkhan, já haviam comprado o milho por meio das trocas. “Nas regiões 1(Sinop) e 2 (Sorriso e Lucas do Rio Verde) o interesse inicial foi bem superior ao volume ofertado. O produtor infelizmente não participa diretamente do leilão”, afirmou.

 

De 1 milhão de toneladas de milho ofertadas houveram sobras de 88,96 mil toneladas, correspondente a 8,9% do total. Em Mato Grosso, das 600 mil toneladas disponiveis, as seis regiões participantes atingiram arremates de quase 100%. As exceções ficaram com as regiões 4 (78%) e 6 (96,4%).   

 

O fator negativo segundo Birkhan, é que, com os prêmios líquidos o preço não atingirá nem R$ 11,00 a saca, que está longe do preço mínimo, o que torna impraticável a realização de novos negócios de venda do produtor. 

 

O arremate de PEP abrange 12 lotes com origem no Distrito Federal, em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e no Paraná.

 

 

Sistema de Informações de Mercado

 

É possível ver ao vivo os lances de cada leilão pelo SIM - Sistema de Informações de Mercado do CentroGrãos. De acordo com o coordenador, a nova ferramenta on-line faz a conta do valor dos prêmios e do preço-referência para cada região.

 

 

 

Tags:
Fonte:
Famato

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Wagner Corrêa Gomes PORTO NACIONAL - TO

    O que esta acontecendo aqui no norte do MT é o seguinte , pouco milho esta na maos dos produtores ,ele se livrou desse milho ja ha algum tempo trocando por defensivos ou por adubo ,nada mais justo que as empresas entrarem no leilao para poderem ter liquidez na venda desse milho , agora na questao de preço o produtor nao entende que o preço minimo é R$ 13,98 ,mas em cima desse preço tem as taxas de padronizaçao e de recebimento que o armazem tem que receber , afinal o armazem nao trabalha de graça ...

    0
  • Hilário Casonatto Lucas do Rio Verde - MT

    INFELIZMENTE O SR BIRKHAN ESTA CERTO , O PRODUTOR MAL VAI RECEBER R$ 11.00 POR SACA DE MILHO NO MT , EM VEZ DOS R$ 13.98 QUE É O PREÇO MINIMO. PAPEL ACEITA TUDO......

    0