Milho e trigo dão o tom de alta no mercado de commodities agrícolas

Publicado em 09/02/2011 06:30 751 exibições
A semana inicia com forte otimismo nos principais mercados mundial. As bolsas asiáticas fecharam esta segunda-feira (7) com fortes ganhos, se aproximando do pico dos últimos três anos. Da mesma forma as bolsas americanas e a BM&F/Bovespa repercutem esta alta. Este cenário se deve principalmente pelo arrefecimento da situação no Egito e pela queda na taxa de desemprego nos EUA.

Diante deste quadro, o mercado do petróleo opera com grande volatilidade, assim como o dólar. Neste momento o dólar índex, opera praticamente estável. Em Londres, o barril no Brent registra perdas, ao contrário do WTI em Nova York que opera com leve ganho.

As principais commodities agrícolas iniciam a semana com forte alta tanto na bolsa mercantil de Chicago (CBOT, sigla em inglês) com na bolsa de mercadorias de Nova York (NYMEX). O mercado do milho segue com estoques pressionados, devido principalmente o aumento da demanda chinesa e americana. Desta forma os vencimentos do mercado futuro do milho registram ganhos de até US$ 0,03/bs, aproximando ainda mais da resistência psicológica de US$ 7/bs. O mercado do trigo também vem registrando noticias bullish, a ultima foi a divulgação de mais compras de trigo por parte do Egito, sendo assim suas posições registram ganhos de até US$ 0,08/bs. O mercado da soja, sem novas notícias, segue as tendências de seus mercados vizinhos, e registra ganhos de até US$ 0,09/bs.

Em Nova York, o algodão se recupera das perdas de sexta-feira (4). Os ganhos na posição do mercado futuro do algodão se elevam em torno de 3%, se aproximando do limite de alta deste mercado.
Tags:
Fonte:
Faeg

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Agricultor não se iluda, cada vez que você enxerga argumentos do tipo "os estoques continuam pressionados", eles se referem a números virtuais porque são resultado subtração entre a colheita e o consumo, contrabalançados pelo estoque final do ano anterior, baseados em uma determinada data. Mas qual é a data? O USDA adota o dia 31 de agôsto ou primeiro (1º) de setembro, como queiram. Portanto, hoje dá tempo para o Brasil e todo hemisfério sul "alterar" estes estoques porque resta um tempo suficiente para plantar e colher até lá. Os estoques de passagem não tem mais a importância e nem a consequência de antigamente porque hoje em dia existe colheita em nove a dez meses do ano em volta do planeta. Ah!, algodão agora é alimento?

    0
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Uma das causas da crise econômica de 2008 foi a excessiva alavancagem dos mercados de derivativos cujo valor ultrapassou 650 TRILHÕES de dólares paras um PIB mundial de 50 trilhões. Atualmente, segundo estimativas o PIB deve alcançar 57 trilhões de dólares anuais e a soma das alavancagens aproxima-se de 680 TRILHÕES de dólares. Isto é um excessivo "excesso de liquidez". Para quem não sabem o que é a alavancagem citada, não pode compreender uma noticia destas, mas pode deduzir que uma nova crise é iminente.

    0