Milho: RS quer dobrar produtividade até 2020

Publicado em 23/09/2011 14:45 543 exibições
Até o ano de 2020, o Estado do Rio Grande do Sul deve dobrar a produtividade da lavoura de milho. Este é o principal desafio estabelecido no Seminário de Alinhamento Estratégico da Câmara Setorial do Milho, aberto na noite de quarta-feira e concluído na tarde dessa quinta (22), no município de Ijuí. Promovido pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, o seminário reuniu, durante dois dias, os principais integrantes desta cadeia produtiva. A realização dos seminários com todas as Câmaras Setoriais, que a Secretaria instalou ou reativou, tem o objetivo de proporcionar o debate entre os elos das cadeias produtivas, visando identificar os principais gargalos e apontar as alternativas que possam orientar o estabelecimento de políticas públicas e planos de ações em parceria com outros entes federados e com as entidades representativas.

Para que se alcance a meta, as discussões entre técnicos e representantes das associações de produtores, da indústria e do comércio, apontaram como principais medidas a implantação de sistemas de irrigação em conjunto com a adoção de novas tecnologias. O coordenador das Câmaras Setoriais da Secretaria da Agricultura, Dílson Bisognin, alertou que também é fundamental investir na qualificação e no treinamento da mão de obra para que haja o correto manejo da cultura, como as várias técnicas de adubação.

 O presidente da Associação de Produtores de Milho (Apromilho), Claudio de Jesus, destacou a oportunidade de juntar produtores e Governo com todos os setores da cadeia produtiva para definir as ações que precisam ser adotadas para desenvolver, a partir do grão, setores como a suinocultura, avicultura e bovinocultura de leite. A retomada das câmaras setoriais, na opinião de Rogério Kerber, presidente do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Animal (Fundesa), está se constituindo em oportunidade de se promover o planejamento conjunto das mais variadas cadeias produtivas. Já o vice-prefeito de Ijuí, Ubirajara Machado Teixeira, acentuou que o milho tem importância significativa para a região, manifestando que o avanço das discussões iniciadas no seminário deve fornecer subsídios ao estabelecimento das políticas para o desenvolvimento do setor.

De acordo com o secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Luiz Fernando Mainardi, o milho cumpre papel estratégico para as criações de frangos e suínos, bem como para a produção de leite, já que é a base da alimentação. Com o aumento da demanda mundial por proteínas, deve, por exemplo, ampliar o mercado internacional de frangos. E o Rio Grande do Sul, na opinião do secretário, deve estar preparado para disputar fatias deste mercado, para o que é fundamental tornar-se auto-sustentável na produção de milho. "Como hoje produzimos cerca de 5,6 milhões de toneladas, mas consumimos quase sete milhões, precisamos importar de outros estados aproximadamente 1,57 milhão, o que acaba encarecendo a produção, diminuindo a nossa competitividade e provocando uma evasão fiscal de pelo menos 80 milhões de reais por ano", diagnosticou o secretário.

 Com a irrigação é possível incrementar a produtividade média do Estado, hoje estimada em 85 sacos por hectare. "Nos Estados Unidos, por exemplo, eles alcançam uma produtividade média de 170 sacos por hectare, e aqui mesmo no Rio Grande do Sul, em algumas propriedades, já foram obtidos até de 200 sacos", acrescenta Mainardi. Por isso, o secretário defende a criação de linhas de financiamento para sistemas de irrigação com mecanismos de rebate dos juros a partir dos ganhos de produtividade a serem registrados.

Tags:
Fonte:
Ass. Imrensa Gov. RS

0 comentário