Ministério Público dá andamento ao despejo em Suiá Missu

Publicado em 11/12/2012 07:22 e atualizado em 11/12/2012 15:00 1925 exibições
A procuradora da República Márcia Brandão Zollinger fez um apanhado geral das ações do Ministério Público Federal na desocupação das terras indígenas em São Félix do Araguaia e Alto Boa Vista, durante coletiva concedida nesta segunda (10). A ação judicial começou a ser cumprida nesta segunda-feira (10) sem data para terminar. Primeiramente serão retirados os fazendeiros com grandes propriedades. Em seguida os pequenos e depois moradores do Posto da Mata. O MPF acompanha todo o processo em Cuiabá para tentar evitar ou amenizar os confrontos. De acordo a procuradora, o Incra disponibiliza às famílias necessitadas auxílio para mudança de toda mobília e até 5 cabeças de gado. Aqueles que não têm para onde ir e são beneficiados com o programa da reforma agrária; ou em vulnerabilidade social serão levados para os assentamentos em Ribeirão Cascalheira, entre eles Santa Rita e Primoroso.

Veja a notícia na íntegra no site do RD News

Confira abaixo algumas imagens do conflito desta segunda-feira (10) na gleba Suiá Missu. As fotos são de Jardel Patrício Arruda:

Clique aqui para ampliar!

Clique aqui para ampliar!

Clique aqui para ampliar!

Clique aqui para ampliar!

No Globo Rural: Agricultores e polícia travam confronto por terras em MT

Bombas de gás lacrimogêneo e tiros de bala de borracha foram disparados. A confusão foi motivada por uma ordem da Justiça, que determinou a saída imediata das famílias que ocupam uma área de 165 mil hectares no nordeste de Mato Grosso, entre dois municípios. Elas estão na área há mais de 20 anos, mas, segundo a Funai, ocupam uma terra que pertence aos índios xavantes.

Confira  a matéria na íntegra no site do Globo Rural
Fonte:
RD News+Globo Rural

7 comentários

  • Diego Ciro Comiran Vilhena - RO

    Mais uma do movimento comunista liderado pela presidente Dilma. Que país é esse meus amigos, onde produtor de alimentos leva bordoadas de policias, recebendo tratamento pior que de um bandido, pois bandidos tem as Ongs dos direitos humanos para defende-los. O produtor gera riquezas, alimentos, divisas de fronteiras, paga uma carga tributária absurda de impostos, dos quais estes impostos pagam os salários dos: políticos comunistas, dos políciais covardes e corruptos, dos juízes e magistrados, das bolsas famílias dessa população de miseráveis idiotas, dos funcionários públicos do INCRA, IBAMA, FUNAI, etc. Até quando nós produtores vamos conseguir produzir para sustentar essa cambada de vermes corruptos?

    0
  • Paulo Roberto M. Bertão Palmital - SP

    Lamento também Sr. Telmo Heinen. Nossa inoperância advém de sabermos apenas trabalhar sem nos indignarmos com as injustiças praticadas em nome de alguns índios que não sabem nem onde nasceram e de entidades que se dizem brasileiras, mas só defendem interesses de não se sabe quem. A igreja deveria se ocupar de defender não só os índios, mas também aqueles que tem produzido a duras penas para alimentar os famintos que protegem.Quanto ao governo: dá títulos de posse e os invalida e ainda taxa os agricultores de invasores e predadores. Nosso pais já perdeu o bonde da história mais de uma vez e jamais seremos um país justo desta forma. Quem sabe estes e outros acontecimentos que virão logo atrás não nos acorde.

    0
  • Alberto Maria Bento Dourados - MS

    É tudo que não podia acontecer, é a desestabilização do agronegócio Brasileiro, aqui no MS tambem vivemos um clima de insegurança jurídica e psicológica comparavel a tempos de guerra.

    0
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Lamento muito que estejamos aqui "INATIVOS". Culpados maiores são o crápula do Ulisses Guimarães que colocou estas impropriedades na Constituição e depois o FHC que permitiu estes regulamentos que dão "OTORIDADE" suprema para Autarquias e o pior, desocupaçoes sem direito à indenização, capítulo onde nossa culpa de omissão também se insere. E o tal Bispo, 84a protegido pelos "iluminati"... Clube de Roma e o escambau.... Vaticano no meio. Lamento pela nossa omissão!

    0
  • Adelson Gasparin Passo Fundo - RS

    Esta é a cara do Brasil. Pais BURRO, país sem NOÇÃO. FUNAI, se o índio quer terra, levem eles para a Amazônia. FUNAI, ONGs, Extrangeiros que dão dinheiro para ONGS, ENTENDAM que índios NÃO sabem produzir, NÃO possuem MÁQUINAS para operar estas terras. E o POVO BRASILEIRO quer comida barata, quer Brasil com Superávit na Balança comercial. E quem faz isso acontecer são os PRODUTORES RURAIS que desbravaram estas terras e revolucionaram o País. ENTÃO Brasil, está na hora de assumir as rédeas destas barbáries. Onde cada dia mais os produtores são criminalizados por Produzirem. GENTE, vamos parar com esta ESTUPIDEZ. Tirar terra de produtor pra dar para índio trocar por cachaça????? DILMA, para ser País RICO e sem Pobreza NÃO pode ser PAÍS BURRO, e sem NOÇÃO.

    0
  • ELECIR TREVISAN CAPANEMA - PR

    Pois é, houvi inúmeros elogios ao grande magistrado Áires Brito, só pelos casos Raposa Serra do Sol e este agora no Mato Grosso, da prá ver que foi mesmo. Agora aposentado, deve estar de tanga e cocar, bebendo cauí e rindo dos coitados que estão sendo despejados. É apenas mais um retrado da justiça que temos.

    0
  • Tiago Oliveira da Rosa Caseiros - RS

    Pessoal o que o governo esta fazendo com os agricultores é simplismente covardia, com certeza há interesse de alguns para estes roubos de terras dos agricultores para doarem para meia dúzia de indios que por sinal não devem entender nada pois somente no Rio Grande do Sul os indios tem 211 ha/ cada indivíduo terras estas que estão sendo inundadas de lixo aglomerados de garrafas de agua ardente atiradas a esmo pelas reservas e o pior é que eles ficam a mercê de cuidados médicos e amparo da funai que os usa somente nestas horas. Pessoal,agricultores, temos que nos unir nesta causa e ajudar os produtores lá do MT urgente, juntos poderemos parar o pais e infelismente é só assim que vamos conseguir alguma coisa..

    0