Na Folha: Miséria parou de cair, confirma governo

Publicado em 06/11/2014 06:50 69 exibições
Informações foram inseridas sem alarde no banco de dados; órgão diz que restrições legais levaram a adiamento. Dados que Ipea segurou durante as eleições e liberou só agora mostram que número de miseráveis subiu 3,7% em 2013

Sem fazer alarde, o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) publicou dados represados durante as eleições que confirmam a interrupção do processo de redução da miséria.

Segundo novas informações do Ipeadata, um banco de dados digital do instituto, o número de miseráveis do país cresceu de 10,08 milhões, em 2012, para 10,45 milhões no ano passado.

Em relação à pobreza, houve uma ligeira melhora --de 30,3 milhões para 28,7 milhões de pessoas.

O aumento de 3,7% na quantidade de miseráveis confirma análises dos microdados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) feitas por pesquisadores independentes e reveladas pela Folha em outubro.

Nos números do Ipeadata, são considerados miseráveis ou indigentes os que não têm renda suficiente para uma cesta mínima de alimentos, conforme valores regionais. No caso dos pobres, a cesta mínima é um pouco maior.

Falta ainda calcular a extrema pobreza com base na linha oficial de R$ 77 mensais por pessoa, adotada no Bolsa Família.

Apesar de estatisticamente pouco expressivo, o crescimento numérico de miseráveis é o primeiro desde 2003, quando o PT chegou ao governo federal. A queda aguda da extrema pobreza nos anos seguintes foi o resultado mais celebrado pela propaganda petista.

A estagnação da queda do número de miseráveis deve impedir a presidente Dilma Rousseff de cumprir sua principal promessa: erradicar a miséria até o fim de 2014.

Feita no último dia 30, a atualização do Ipeadata não recebeu qualquer tipo de publicidade nem textos analisando os resultados.

A reportagem questionou o órgão sobre a data em que os cálculos seriam tornados públicos. Não houve resposta. Nesta quarta (5), a assessoria do órgão informou que a atualização da base de dados foi similar à feita no ano passado.

Os dados poderiam ter sido divulgados há cerca de um mês. Mas, alegando restrições legais e a opção de não afetar o processo eleitoral, o Ipea decidiu adiar a publicação.

O órgão nunca detalhou que aspecto da lei impedia a divulgação. A mesma precaução não foi adotada em 2010, por exemplo. Naquele ano, o instituto publicou os dados (então favoráveis) em 5 de outubro, entre o 1º e o 2º turno.

A postergação provocou uma crise interna no Ipea. O diretor da área social, Herton Araújo, insistiu para que o instituto divulgasse os números. Diante da negativa da cúpula do órgão, ele decidiu colocar seu cargo à disposição.

O Ipea negou à época que houvesse qualquer estudo pronto sobre os resultados da Pnad-2013. Mas, segundo a Folha apurou, Araújo e sua equipe já sabiam que o número de miseráveis tinha subido quando ele tentou dissuadir o instituto de impedir a divulgação.

O afastamento de Araújo, pedido em reunião no dia 9 de outubro, demorou cerca de três semanas para ser oficializado. Só foi publicado no "Diário Oficial" desta terça-feira (4).

Fonte:
Folha de S. Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário