Caiado aciona PGR contra 10 governistas que censuraram dados públicos durante eleições

Publicado em 21/11/2014 17:49 474 exibições

Por conta do atraso na divulgação de dados oficiais e de medidas econômicas no período eleitoral, o deputado federal Ronaldo Caiado (Democratas-GO) ingressou, nessa quinta-feira (20/11), com uma representação na Procuradoria-Geral da República contra 10 autoridades do governo federal. De acordo com Caiado, líder da Oposição no Congresso, todos devem responder pelo Crime de Responsabilidade (1.079/50) e por Improbidade Administrativa (8.429/92). 
 
“De todas as atrocidades cometidas nesta eleição, a mais vexatória, sem dúvida, foi o governo impondo a órgãos técnicos uma mordaça para que a população não soubesse a real situação do país. Mais do que ninguém, eles sabiam como estavam fazendo um mau governo e como isso não podia ser revelado durante as eleições”, explicou Caiado.
 
A lista de autoridades vai desde ministros, como Guido Mantega (Fazenda), Clélio Campolina Diniz (Ciência, Tecnologia e Inovação), Izabella Mônica Vieira Teixeira (Meio Ambiente) e Edison Lobão (Minas e Energia); a presidentes e diretores de agências, como Alexandre Tombini (Banco Central), Volney Zanardi Júnior (IBAMA), Leonel Fernando Perondi (INPE), Marcelo Côrtes Neri (Secretário Especial para Assuntos Estratégicos), Suarez Dillon Soares (IPEA) e Romeu Donizete Rufino (ANEEL).
 
Entre os fatos que baseiam o requerimento, há uma série de reportagens e balanços oficiais que demonstram como o governo agiu para que cronogramas não fossem cumpridos. Todas as estatísticas em atraso saíram em no máximo duas semanas após o pleito, como a que revela o aumento da miséria no país, a que denuncia o avanço do desmatamento na Amazônia, ou mesmo a que aponta queda na arrecadação. 
 
Caiado também cita o atraso na adoção de medidas econômicas necessárias para tentar conter a estagnação econômica que afeta o país. De acordo com ele, o COPOM (Comitê de Política Monetária) só foi liberado a agir em suas atribuições após o período eleitoral, o que fez com que o país passasse meses sem nenhum tipo de amparo governamental à economia.
 
“Passaram a campanha fazendo terrorismo eleitoral relacionando alta dos juros como o vilão do trabalhador e o que fizeram uma semana depois? Foram na contramão de sua propaganda populista e adotaram a medida necessária”, lembrou. 
 
O democrata também cita o represamento do preço dos combustíveis pela Petrobras, medida que tentou abafar o efeito da inflação descontrolada sobre o bolso do consumidor e que só teve como consequência um agravamento maior da situação financeira da estatal.
 
“Quebraram a Petrobras por um lado com a corrupção e pelo outro sacrificando a empresa. Fizeram da estatal um cabo eleitoral de campanha. Foi ela que absorveu todo o prejuízo com o congelamento do preço da gasolina”, acusou.

 

Leia o conteúdo da representação enviada à PGR , clique aqui

Fonte:
Assessoria Comunicação

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Faz muito bem o senador Ronaldo Caiado. Lei neles.

    0