Petrobras enfrenta ação judicial coletiva em tribunal de Nova York por corrupção

Publicado em 09/12/2014 06:44 e atualizado em 09/12/2014 10:53 475 exibições

LOGO REUTERS (16408)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras e seus principais executivos enfrentam ação coletiva em um tribunal federal de Nova York por suposto esquema de corrupção e fixação de preços de contratos, que advogados acreditam inflaram o valor dos ativos da estatal brasileira.

A ação foi movida pelo escritório de advocacia Wolf Popper LLP no Distrito Sul de Nova York nesta segunda-feira em nome de investidores que compraram ações da empresa brasileira em Nova York, entre 20 de maio de 2010 e 21 de novembro deste ano.

A ação, que depende de validação de um juiz para prosseguir em um tribunal civil, pretende levar a questão a júri e reparação de danos ainda não especificados.

A denúncia alega que a Petrobras "fez declarações falsas e enganosas por desvirtuar os fatos e não divulgar a cultura de corrupção que consistia em um esquema multibilionário de lavagem de dinheiro e suborno instalado na empresa desde 2006".

Durante o período abrangido pela ação judicial, o valor de mercado da Petrobras caiu de cerca de 150 bilhões de dólares para algo em torno de 60 bilhões de dólares, apesar de a empresa ter vendido cerca de 70 bilhões de dólares em novas ações em setembro de 2010 no que era então a maior oferta mundial de ações da história.

Funcionários da Petrobras não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto. Uma cópia da ação apresentada ao tribunal nesta segunda-feira informa que o escritório Wolf Popper está trabalhando com a firma brasileira Almeida Advogado.

"A lei de valores mobiliários dos Estados Unidos é um fator significativo para dissuadir este tipo de comportamento", disse o advogado Robert C. Finkel, da Wolf Popper, que trabalha no caso, em entrevista por telefone de Nova York. "A única maneira que você pode impedir este tipo de comportamento é ao multar diretores responsáveis pela fraude com os papéis."

As ações preferenciais da Petrobras fecharam em queda de 6,2 por cento, a 11,50 reais, nesta segunda-feira, no menor patamar em nove anos. As ações negociadas em Nova York recuaram 6,7 por cento, 8,23 dólares.

Investidores interessados em se tornar autores da ação têm até 6 de fevereiro para apresentar uma moção ao tribunal, disse um comunicado do Wolf Popper.

"Há um bom histórico para lidar com casos relacionados com a lei norte-americana de prática de corrupção no exterior", disse ele. "Eles registraram seus papéis aqui, eles estão sujeitos à lei dos EUA."

A ação disse que os investidores foram prejudicados porque a Petrobras sobrevalorizou seus ativos, como resultado de um esquema em que a Petrobras e as empreiteiros inflaram os custos dos contratos.

De acordo com investigadores brasileiros, parte do sobrepreço foi repassada para partidos políticos e políticos na forma de contribuições de campanha e subornos.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

3 comentários

  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    A velha esquerda petista, representada pelos idiotas bolivarianos, tem um bom motivo para atacar o “imperialismo” americano, estratégia adotada pelos bolcheviques petistas, desconstruir seu oponente.

    É que nesta segunda-feira (8/12), um renomado escritório de advocacia entrou com uma ação na corte de Nova York, com a acusação de que a Petrobrás violou a legislação da Securities and Exchange Commission (SEC), que regula o mercado de capitais dos EUA.

    A ação alega que a Petrobrás forneceu “material falso e comunicados enganosos” e não revelou uma “cultura de corrupção” na empresa, que consiste em um “esquema interno multibilionário de corrupção e lavagem de dinheiro”.

    O histórico do escritório de advocacia, Wolf Popper, mostra que já recuperou “bilhões” ao longo dos anos para investidores fraudados, será que o “PRÉ-SAL DO LULA VAI CONSEGUIR PAGAR ESSA CONTA”?

    O “povo brasileiro” acostumado às filas pode entrar nesta, para receber os prometidos “por centos” para a saúde, educação, mas só depois que os “leões” abocanharem a sua parte!

    0
  • Hilário Casonatto Lucas do Rio Verde - MT

    VAI FUMAR

    0
  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Estas ações que começam a pipocar lá fora, derrubam a ideia de que existem duas Petrobrás, uma que trabalha e dá lucro, outra corrupta...Portanto, o foco da questão volta para exclusivamente a Presidente da Estatal...Isto sob vários aspectos é bom no sentido de que o raciocínio de que existe também um governo que trabalha e outro corrupto que não tem nada a ver com o da presidenta...Do mesmo modo que estas ações lá fora unem a Petrobrás numa só responsabilidade, aqui dentro também o raciocínio será totalmente idêntico....

    0