No Estadão: Usina de Belo Monte pode ter rombo bilionário com atraso na obra

Publicado em 29/12/2014 11:36 549 exibições

O atraso de mais de um ano nas obras de Belo Monte deixou de ser apenas um problema de ordem operacional para o governo e o setor elétrico. Passados quase cinco anos desde que a hidrelétrica foi a leilão, em abril de 2010, o maior projeto de geração de energia do País se vê hoje transformado em uma enorme confusão financeira, com sérios riscos de tornar­se economicamente inviável.

A gravidade da situação foi descrita em detalhes pelo próprio consórcio Norte Energia, dono da usina, em uma carta encaminhada à diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no fim de novembro. No documento, ao qual o Estado teve acesso, o consórcio afirma que a rejeição de seu pedido de prorrogação dos prazos e a consequente obrigação de comprar energia de outras usinas para garantir a entrega daquilo que não produziu custariam ao consórcio "somas vultosas, capazes de inviabilizar o empreendimento".

Por contrato, Belo Monte, em construção na região de Altamira, no Pará, teria de começar a gerar energia a partir de fevereiro de 2015, o que efetivamente só ocorrerá no primeiro trimestre de 2016. Nesse período, argumentou o diretor­presidente da Norte Energia, Duilio Diniz de Figueiredo, seria precisa desembolsar ­ a preços atuais ­ cerca de R$ 370 milhões por mês para cobrir o rombo. A usina tem previsão de conclusão para fevereiro de 2019.

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão

 

Fonte:
Estadão

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Lino Gaspar Rocha Aguiar Rio Paranaíba - MG

    Quem é o maior culpado do atraso das obras que acarretaram enormes prejuízos a nação.........São as ongs que alistaram pseudos índios e a Dona Marina Silva, condecorada pelos serviços prestados aos mesmos.

    0