No Estadão: Inflação desacelera e sobe 0,08%, menor valor para setembro desde 1998

Publicado em 07/10/2016 12:52 e atualizado em 07/10/2016 20:36
62 exibições

RIO - A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou setembro com alta de 0,08%, ante uma variação de 0,44% em agosto, informou nesta sexta-feira, 7, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de variação é a menor desde julho de 2014. O IPCA de setembro também é o mais baixo para o mês desde 1998. 

A taxa acumulada no ano foi de 5,51%. Em 12 meses, o resultado ficou em 8,48%, ainda muito acima do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%.

Em comparação com agosto, dos nove grupos de produtos e serviços que compõem o índice, alimentos foi o que apresentou a maior queda em setembro (-0,29%).  Grande parte dos itens pesquisados mostrou redução na taxa de crescimento ou queda nos preços de um mês para o outro. Os preços do leite, que subiam sistematicamente desde o início do ano, caíram 7,89%. Entre os alimentos em alta, o destaque ficou com o item carnes que teve aumento de 1,43%. 

Leia a notícia na íntegra no site do Estadão

Na Folha: Preço de alimentos cai e setembro tem menor inflação para o mês desde 1998

A queda no preços dos alimentos em setembro fez a inflação cair ao menor patamar para o mês desde 1998. O índice mensal ficou em 0,08%, divulgou o IBGE nesta sexta-feira (7).

A última vez que o país viu o IPCA –a inflação oficial do país– em nível tão baixo foi em julho de 2014, quando esteve em 0,01%. Em agosto, o índice foi de 0,44%.

No acumulado do ano, a inflação foi de 5,51%. Já nos 12 meses encerrados em setembro, o indicador esteve em 8,48%, acima do teto da meta do governo, de 6,5%.

O mercado, segundo levantamento da Bloomberg, esperava alta de 0,19% em setembro e de 8,6% nos 12 meses.

A desaceleração em setembro foi puxada pelo recuo generalizado no preço de alimentos e bebidas, que caíram em média 0,29% no mês. O grupo é o que tem o maior peso no cálculo da inflação.

Leia a notícia na íntegra no site da Folha de S. Paulo

Fonte: Estadão + Folha de S. Paulo

Nenhum comentário